terça-feira, 21 de outubro de 2008

Notícias de última

CHEGOU O PRIMEIRO CARTÃO DE ANIVERSÃRIO DESTA SEMANA PRA MIM ^^

Tudo bem que veio por conta do meu cadastro de doadora de sangue, mas veio!! (Risos)

Pessoal do cadastro do Hemocentro de Maringá, meu muito obrigada!!

Absurdo

Essa é em homenagem a uma certa monografia... as partes grifadas em vermelho foram as que me fizeram ligar a música à sua monografia.

Absurdo

Vanessa Da Mata

Composição: Indisponível

Havia tanto pra lhe contar
A natureza
Mudava a forma o estado e o lugar
Era absurdo

Havia tanto pra lhe mostrar
Era tão belo
Mas olhe agora o estrago em que está

Tapetes fartos de folhas e flores
O chão do mundo se varre aqui
Essa idéia do natural ser sujo
Do inorgânico não se faz

Destruição é reflexo do humano
Se a ambição desumana o Ser
Essa imagem de infértil deserto
Nunca pensei que chegasse aqui

Auto-destrutivos,
Falsas vitimas nocivas?

Havia tanto pra aproveitar
Sem poderio
Tantas histórias, tantos sabores
Capins dourados

Havia tanto pra respirar
Era tão fino
Naqueles rios a gente banhava

Desmatam tudo e reclamam do tempo
Que ironia conflitante ser
Desequilíbrio que alimenta as pragas
Alterado grão, alterado pão

Sujamos rios, dependemos das águas
Tanto faz os meios violentos
Luxúria é ética do perverso vivo
Morto por dinheiro

Cores, tantas cores
Tais belezas
Foram-se
Versos e estrelas
Tantas fadas que eu não vi

Falsos bens, progresso?
Com a mãe, ingratidão
Deram o galinheiro
Pra raposa vigiar

Potinho versão "amostra grátis"

"ha ha ha", "ha ha ha"...
Ouça a gargalhada gostosa que vem do outro cômodo, sinta sua pureza, ele sempre virá a fim de correr pela casa, de pular em seu colo, de falar em dialeto, que ganhar o seu sorriso e invadir seu coração. Bebês têm esse dom!

Aquele corpinho de 70 centímetros que corre pela casa falando "lido" em vez de "lindo", "guá" em lugar de água, que pula com toda a força no seu colo e fala "gula" pedindo que o segure. Que apronta, que brinca, que cuida de você mesmo sem poder. Cuida, pois chora quando você sai de casa, procura por você, aparece com dois olhinhos lindos, brilhantes, na porta da frente da casa berrando seu nome (em dialeto, pois é difícil pronunciar nomes corretamente, no meu caso, ouço um "badah" -risos- em lugar de Amanda).

Sou apaixonada por bebês, ainda mais por bebês que berram o meu nome quando chego em casa. (risos)
Antes que me questionem, não, não tenho filhos! É meu irmãozinho, meu potinho versão "amostra grátis" (risos).