quarta-feira, 21 de julho de 2010

Caçador de Mim

 

Milton Nascimento

Composição: Luís Carlos Sá e Sérgio Magrão

Por tanto amor
Por tanta emoção
A vida me fez assim
Doce ou atroz
Manso ou feroz
Eu caçador de mim

Preso a canções
Entregue a paixões
Que nunca tiveram fim
Vou me encontrar
Longe do meu lugar
Eu, caçador de mim

Nada a temer senão o correr da luta
Nada a fazer senão esquecer o medo
Abrir o peito à força, numa procura
Fugir às armadilhas da mata escura

Longe se vai
Sonhando demais
Mas onde se chega assim
Vou descobrir
O que me faz sentir
Eu, caçador de mim

 

Pois lembrei das muitas vezes em que me senti só, perdida, absurdamente em trevas e Deus me deu a força necessária para prosseguir, lutar, abrir meu peito à força me permitindo encontrar o que houvera antes perdido. Eu, caçador de Mim.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Severus Snape – absurdamente humano.

 

SeverusSnape

[Fotos das filmagens de Harry Potter]

Estive a ler Harry Potter, me faltavam dois livros para a conclusão da Saga do menino bruxo. E, antes que me recriminem, não vou entrar no mérito bruxaria, feitiçaria, etc. Não quero tocar neste ponto, ao menos não agora. E, tampouco falar do grande herói de Joanne Rowling.

O mérito de minhas linhas hoje vai ao anti-herói Severus Snape e a fabulosa construção de seu caráter. A descrição de Snape pelo “Wandpedia”, baseada nos 7 livros da série o descrevem  “'como tendo um nariz de gancho, pele pálida, olhos pretos e cabelos oleosos e na altura dos ombros. (…) magro e vestido em longas vestes negras, lembrando "um morcego superdesenvolvido". (…) é geralmente descrito como cruel, desagradável, sarcástico, e amargo. Apesar de geralmente calmo e reservado, seu temperamento é às vezes curto quando Harry Potter e seus amigos estão por perto, particularmente porque se lembra de James (Thiago na versão brasileira, o pai) em Harry. Os sete livros mostram Snape como um bruxo muito poderoso, e talentoso enquanto aluno. Especialista em preparo de poções e tinha talento para as Artes das Trevas. Tinha muita criatividade e criava novos feitiços, incluindo o Levicorpus e o Sectumsempra. Como chefe da casa Slytherin, ele era um protetor de seus alunos. Snape consegue invadir as mentes dos outros e proteger sua própria com facilidade.”

SnapeOcclumency

Aos meus olhos, desde o primeiro livro, Snape demonstrava ser reservado e amargurado, despertando em mim grande compaixão. Sempre levantei suposições que, apesar de não descrito até as últimas páginas do sétimo livro, Severus Snape devia ter sido uma criança confusa, carente, rejeitada. Alguém que precisasse mais do que os outros de um pai, uma mãe, irmãos. Os  livros parecem demonstrar que ele se volta ao lado maligno da trama em virtude de ser aceito e receber atenção do menino que viria a se tornar o grande vilão de toda a estrutura de Harry Potter, até então conhecido como Tom Ridley (Lord Voldemort).

Ao se tornar um “Death Eater” (comensal da morte) Snape tem a aceitação de seu líder, faz tudo o que Voldemort deseja, com o intuito certo de ser aceito, receber recompensas, algum tipo de glória, fama, sucesso, enfim, de suprir a carência prima do Amor Filial. Compreendendo que aquilo que o atraía às trevas o afastava cada vez mais de seu único amor e depois de um erro fatal, descobrir que por sua culpa a jovem Lily morreria, ele procura ajuda e abrigo em Dumbledore, o diretor de sua antiga escola, líder da Ordem da Fênix (Instituição contrária às ações de Voldemort).

Arrependido procura cuidar de Harry. Sua forma de cuidado é diferente, ele não consegue suportar a idéia de ser amável. É reservado, sério. Como o garoto o faz lembrar de sua fria infância, Snape não demonstra afetos a Potter, nem poderia cumprir com sua função se assim o fizesse. Seu objetivo era ser um agente duplo. Obedeceu até à morte. Morreu sem lutar, frente à cegueira de um Vilão doente e incapaz de compreender o amor.

15YearOldSnape

Obrigou-se a matar aquele que jamais duvidava de sua lealdade por fiel obediência ao próprio Dumbledore, ajudou Harry até o final de sua vida, amou Lily sem reservas, sem jamais ter sido correspondido.

Rejeitado, humilhado, traído, pequeno e frágil. É a visão de Snape que tenho. Alguém que compreendeu que o Amor está além de todas as coisas e rendeu-se ao Amor quando não lhe restava mais nada em si mesmo.

Óbvio que Snape não tem nada de cristão, nada na saga tem, todavia, sua humanidade concreta o torna um personagem admirável. Sem Snape o desenrolar da trama não aconteceria e Potter não seria nem meio herói. Snape me lembra muitos de nós.

Abandonados, feridos, deprimidos, acorrentados, sombrios e gélidos. Escolhendo mendigar amor e carinho, alguma atenção, algum afeto. Queriam apenas um lar. Uma família e alguém pra chamar de pai. Esquecendo Daquele que de fato É PAI, Daquele que compreende o que é rejeição, dor, feridas, mutilações, traições…

É possível ver em Snape a figura de alguém que seria totalmente transformado se tocado pelo amor de Deus. Assim como eu um dia fui, e muitos de nós também. Um amor além das estruturas dogmáticas de fé. Além das culpas e traumas, além das feridas e do poder sombrio. Um amor que excede as expectativas de qualquer ser humano, pois que aceita incondicionalmente o outro.

O Amor de Deus toca mesmo quando aquele que era “Death Eater” não consegue ver nada além de escuridão e dor. Não importa quantos matou, humilhou e ofendeu à partir do momento em que encontrar este amor. Aprenderá o valor do perdão, do abraço, do sincero arrependimento, e da liberdade. Absoluta e Inestinguinvel.

 

Naquele que te aceita, mesmo você pensando que não vale nada (Ele vê potencial em você!),

 

Amanda Perbeline

Maringa – 19-07-2010

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Nerd eu? Quem sabe…

CRB002794

Hoje acordei tarde, é domingo, é bom dizer: Bom dia pra vocês!
Aqui está frio, o clima tá pra chuva e eu estou pensativa.
Fiz cerca de 10 testes na ultima semana sobre a quantidade de percentual nerd que eu possuo, até mesmo porque isso nunca foi uma preocupação pra mim. Sou o que sou e ponto final. Só que com a quantidade de pessoas me chamando de estranha, resolvi querer saber se isso é realmente algo que é parte de mim ou é só uma indicação. Bom, um dos resultados foi “Nerd em estágio crítico, você é quase radioativo!”

Ótimo! Pensei. Logo eu que mal sei diferenciar as equações físicas, que tive sérios problemas com Isaac Newton, Einstein, Bohr… Que fui taxada de “Cruz” pela professora de Física. Tudo bem que sou apaixonada por computadores, livros, música. E que mal saio de casa pra ter uma “vida” fora do quarto. E eu sei que vida extra-quarto existe. Mas, como assim nerd?

Sei lá se tem algum nerd me lendo, mas, se tiver, já devem estar indignados, pois que eu, mal sei respeitar as regras das comunidades MMORG, nunca fiz um curso de computação e tudo aprendi como uma curiosa do ramo –ou seja- não entendo absolutamente nada de computadores, não me coloquem ao lado de programador nenhum, eu simplesmente não entendo nada. Só sei ler as regras das coisas e tento obedecer o manual de uso. Se isso é ser Nerd, então eu sou, mas, acho que estou bem longe de saber a diferença dos aceleradores de moléculas e das pastilha de freio à disco.

Porém, se houver alguém que me leia, que goste de música clássica, MPB, de filosofia política com ênfase em pensadores contemporâneos, filmes, jogos de computadores, Star Wars, xadrez, natação, que ouça um bom Hope Rock, que saiba conversar sobre a Bíblia, que curta um papo gostoso com Deus, que compreenda a beleza das coisas da Terra, que entenda a diferença de cinema e demonios, e que respeite as outras pessoas como se compreendessem que são parte da comunidade humana e que devemos amá-los e não matá-los. (por mais vontade que dê às vezes) Eu peço: Dê sinal de vida! É ruim ser diferente dos demais e estar fora das convenções sociais a maior parte do tempo. Até mesmo dentro da igreja, ou melhor, especialmente dentro da Igreja…

Sinceramente, me orgulho de ser diferente, e estar incluída no bando “nerd”. Espero que me aceitem, já que sou totalmente “Humanas”, e quer saber? Espero que tenha um outro alguém nessa Terra com estas mesmas expectativas e que Ame a Deus acima de todas as coisas! Mesmo sendo “exatas”, “biológicas”, seja lá o que for. Espero apenas que seja totalmente aceito por si mesmo e compreenda sua aceitação diante da perspectiva Divina de Pai, que eu creio.

Um grande abraço,

Srta. A.Perbeline S. (S de Skywalker? kkkk)

11-07-2010/ Maringá-PR

terça-feira, 6 de julho de 2010

Enquandrado triangulares

OgAAAIFR51xktH6s5uSQdI61RXUvfcLa7CKXBH-i7cHsDa-uie-vAvZtBcZfKY5O0MnrgqWItR0JycFsQ9SVWsUdhKAAm1T1UKTmN7OX_9NZv-wNWepnnTiA-Pif

Cada coisa que escuto por aí… e o povo não perde a mania de tentar te enquadrar num conceito fechado de qualquer coisa que valha.

Se você quer uma tatuagem é maloqueiro;

Se você tem um crucifixo, é religioso demais;

Se anda de saia é crente;

Se está arrumado é perua (no caso dos meninos ou está atrás de rabo-de-saia ou é metrosexual);

Se tem um padrão de organização é metódico, se não tem é bagunceiro;

Se chega sempre no horário é caxias, se não chega é descompromissado;

Se não concorda com o pensamento dominante é um rebelde encrenqueiro, se concorda, não tem personalidade;

Se chora é emo, se não chora é insensível;

Se gosta de computadores é nerd, se não gosta é um dinossauro; (Piora um pouco mais se vc gosta de computadores e star-wars kkk);

Se você não quer fazer sexo antes do casamento é um quadrado, se faz é praticamente uma prostituta;

Se você fala sempre a verdade falam que não sabe ser diplomático, se mente é uma cobra;

Não interessa o que vc faça, sempre tentarão te encaixar em qualquer padrão.

Não tente se encaixar nos padrões sociais. Seja você mesmo e se aceite assim. Uma pessoa singular com qualidades esplendidas que cumprem exatamente as necessidades daquilo que vc foi chamado a fazer no mundo. Ouça a voz de Deus que lhe chama pra algo maior vindo Dele, e você descobrirá quais são suas qualidades, sua real identidade, sua vocação.

Se vc é gordinho ou magrinho, gosta de ler ou de tv, enfim… não importa, importa ser integralmente livre em Deus e Para Deus. (O que te levar pro centro da Vontade Dele, te levará para a completude humana. E importa dizer que automaticamente você cumprirá a sua vocação na Terra. Adorá-LO com a Vida. Que é muito mais do que cantar algumas coisas na igreja e ir regularmente à instituições religiosas cumprir a  liturgia preceituada.)

 

Naquele em quem você foi gerado (a) com singular amor,

 

Amanda Perbeline

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Sexo é como bolo depois do almoço

dama

Por que mulheres são tolas que não conseguem escrever quando se sentem inseguras de algo?

Eu por exemplo, quando recebo e-mails, leio alguns umas quinze vezes antes de responder, porque sempre tenho que me conter pra não falar demais, ou de menos. Tudo por um grande medo bobo da reação do outro.

O blog pelo menos é algo que não sei quem lê e nem quantos lêem. Afinal de contas, pra que saber não é mesmo? Então não preciso me preocupar com “será que ele vai ler? será que ela não vai se aborrecer?” Simplesmente falo e pronto!

Por isso é que agradeço não viver na Idade Média, pois que em 2 anos de existência do blog eu já teria virado carvão na fogueira…

Aliás, falando em fogueira, lembrei da febre “Edward\Jack”, alguém pode por gentileza apertar o pause e aliviar a carga? Simplesmente não aguento mais isso.

(Tudo bem que, vencida pelo cansaço, peguei os dois filmes pra assistir pra poder descobrir se é tudo isso mesmo ou, se trata-se apenas de utopia feminina – MAS ainda não assisti)

Todavia, entretetanto e no entanto, não é pra falar de Edward, não é pra falar de medo que apareci pela segunda vez neste blog.

O fato é que estávamos discutindo alguns assuntos aqui e surgiu o papo “sexo antes do casamento”. 

Minha opinião, segundo as meninas aqui, é retrógrada e utópica, porque eu acredito no casamento fiel. Em que, mesmo que por algum infortúnio (ou por livre vontade) um dos parceiros, ou ambos, não sejam virgens, porém, decidem por esperar o tempo correto pra constituirem família.

Afinal, o grande lance de transar antes de casar é a culpa que surge com isso. Você passa a carregar um fardo de culpa do tamanho de um piano de cauda. Medo dos pais descobrirem, medo de engravidar, medo de ter que parar a faculdade ou os cursinhos, vergonha de si mesmo porque sonhava em ser “puro” pra ser merecedor do ‘vestido branco’. Aquela coisa de menina de entrar linda na igreja e descobrir tudo na noite de nupcias. É realmente romântico. E eu sou uma boba romantica.

Eu acredito que “transar depois” é como almoçar na hora certa, o bolo fica mais saboroso e não dá dor de barriga. Se aconteceu antes, fazer o quê?! Cuide pra não acontecer agora, ore, encontre a pessoa ideal: Case! Tenha filhos…

Saiba que acima de tudo, carregar um piano nas costas dá problemas lombares catestróficos e piora se você escolhe o piano em cima e um bebê no ventre. Tem hora certa pra tudo. Crianças são bênçãos brilhantes que mudam toda uma história. Tem que pensar bem…

Vale a pena esperar!

 

Naquele que conhece o seu coração,

Amanda Perbeline

Pipoca, Trapalhões, Copa e Segunda-Feira

42-17323931

Ontem parei a vida pra assistir filmes. Pegamos dois. O primeiro foi “Os fantasmas de Scrooge” que é uma repaginação da conto de Charles Dickens, bem legal! Mas eu não indico pra crianças. Tomei altos sustos!!

E na sequencia assistimos “Julie & Julia”, muito legal! Dá uma fome porque eles passam o filme todo falando sobre comida e falam sobre blogs.

Me identifiquei muito na hora em que Julie desabafa:

_ às vezes acho que estou escrevendo este blog e mandando tudo pra um grande espaço no meio do nada! E que ninguém me lê.

Pois é.

Como hoje é segundona pós Copa. Estão todos entorpecidos e revoltados pela derrota do Brasil, porque ninguém aceita perder nada e ficam procurando um bode expiatório, resolvi compartilhar uma letra animadinha que eu gosto muito, me faz lembrar dos bons tempos da vida e do quanto a Vida é Bela.

Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Hollywood fica ali bem perto,
Só não vê quem tem um olho aberto
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Hollywood é um sonho de cenário,
Vi um pau de arara milhionário
E eu que nem sonhava em conhecer o tal recife,
Pobre saltimbanco trabalhão…

Hoje sou mocinho, sou vizinho do xeriffe,
Dou rabo de arraia em tubarão...
Não...
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Tem de tudo nessa Hollywood
Vi um índio cheio de saúde
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
How do you do? Caruaru
I wanna see, piri-piri
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Ó nóis ali...
Ólha nóis ali...
Camelôs, malucos, engraxates,
Aproveitem enquanto o sonho é grátis...
Quem é de negar que é bom dançar, que a vida é bela?
Nesse fabuloso xanadú?
Eu só tenho medo de amanhã cair da tela...
E acordar na cama do Gugu!
How do you do? Panabuiú
I wanna die, no Paraguai...
Hollywood and Me.

By the way, curti à beça o post sobre a Copa que a Nathy esreveu no Grande Criador.

É isso!

Uma segunda muito boa pra vocês.

Naquele que ama até as segundas,

Amanda Perbeline

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Panda Encontrado!

panda01

Desapareci da internet por três dias, aí lí uma frase da Anaí “Procura-se a Panda” ou era alguma coisa parecida com isso.

Quero dizer que “Panda já foi encontrada”, havia desaparecido em virtude da semana de provas da faculdade, detalhe, aceita-se recompensa, favor encaminhar Panda de volta para seu Lar.

*Mensagem subliminar? Talvez! Mas quero ir pra Casa! (risos)

Uma boa quinta-feira!

Amanda Perbeline

Maringá/PR

Rio de Lágrimas

O rio de Piracicaba
Vai jogar água pra fora
Quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora
Mas quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora

Lá no bairro onde eu moro
Só existe uma nascente
A nascente é dos meus olhos
Já formou água corrente
Pertinho da minha casa
Já virou uma lagoa
Com lágrimas dos meus olhos
Por causa de uma pessoa

O rio de Piracicaba
Vai jogar água pra fora
Quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora
Mas quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora

Eu quero apanhar uma rosa
Minha mão já não alcança
Eu choro desesperado
Igualzinho uma criança
Duvido alguém quem não chore
Pela dor de uma saudade
Quero ver quem não chora
Quando ama de verdade

O rio de Piracicaba
Vai jogar água pra fora
Quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora
Mas quando chegar a água
Dos olhos de alguém que chora

(Composição: Tião Carreiro / Lourival dos Santos / Piraci)

Isso é capaz de dizer que sinto saudade…

Meus olhos cheios de lágrimas sentem saudade de casa. Paulicéia desvairada do interior! (rs)