quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Sacerdócio de loucos.

Porque, é claro, isso não é p/ quem se acha normal... e é maravilhoso ser anormal kkkk

Nos últimos dois dias tenho lido sobre os escritos de M. Basiléa Schlink, fundadora das Irmãs Evangélicas de Maria, com fundamentos evangélicos. Mas, pouco importam agora se os fundamentos são de teologia evangelica ou não, fato é, que tem fundamentos bíblicos coerentes e sólidos e me chamou atenção algumas de suas palavras, dentre as quais faço questão de compartilhar as seguintes:

"Sacerdotes são pessoas inflamadas com um ardente amor pelos outros e que estão dispostas a serem 'anátema, separado de Cristo' (Rm 9.3), a viverem sem o que é bom, desejável e satisfatório, se somente outros puderem ser salvos do fogo. O apóstolo Paulo foi um sacerdote de Deus assim. Ele estava pronto para, tanto aqui como na eternidade, ser privado da alegria e da realização de sua vida, ou seja, a presença de Jesus, se somente os seus compatriotas pudessem ser salvos. Almas sacerdotais são interiormente compelidas a fazerem sacrifícios, a renunciarem ao prestígio, à compreensão, ao amor e ao respeito dos outros; a ficarem sem dormir e sem comer (temporariamente) , sem conforto e sem comodidade, sem seus lares e sem lazer. Paulo certa vez confessou: 'Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos como a homens... Até a presente hora sofremos fome, sede e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa... até agora temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos' (1 Co 4.9-13). Almas sacerdotais entram voluntariamente numa noite interior, a fim de que outros possam experimentar a bênção da luz." (chamados para abençoar, 1949)

Sim, soa lindamente, mas quando somos efetivamente chamados, ficamos incomodados, com um fervor enorme dentro da alma, com o Espírito nos chamando para orar por determinadas almas, por determinadas situãções, queremos ficar perto daqueles que tem a mesma visão que nós. Queremos viver dia-a-dia o Evangelho da Glória de Cristo, o Evangelho do Reino de Deus, o qual nos chamou para sermos anunciadores. Co-herdeiros e também a vergonha dos sábios deste mundo.

Eu sei o que é ter um incômodo destes, e sei o que é estar desesperado para estar com Cristo e mostrar a Cristo, vivendo-O e compartilhando-O... e não consigo me ver longe disso. É loucura para o mundo, mas sabedoria ao que crê.

Uma semana cheia de Deus.