quinta-feira, 1 de abril de 2010

Caçadores de Sonhos.



Existem os caçadores dos Safaris na África, existem os caçadores de presas fáceis das ruas, existem os chamados caçadores de fantasmas, vampiros, seres de outros planetas, etc.
Sou caçadora de sonhos.

Um dia sonhei em compartilhar a vida através da arte, da educação e da criação singela e sem pretensões, partilhando tempo e cuidado à aqueles que se abrem... hoje, em busca da realização destes sonhos, me encontrei uma caçadora deles.

Ainda ontem em sala de aula, o professor falava algo sobre ética do advogado e alguma coisa "bem legal" sobre o exercício da advocacia, enquanto ele falava isso eu escrevia nas páginas finais do meu caderno: "A descoberta da América com o Pernalonga." E lembrava das peripécias do coelhinho norte-americano (ou estadunidense conforme a sua maneira politicamente correta... ) que dizia:
_ Eu descobri a América!
Ao passo que Amérigo Vespucci olhava com maldade e colocava uma plaquinha "América - Por Amerigo Vespucci". A moral era: Não importa quem chega primeiro, mas sim que coloca primeiro a placa. (Nem quero entrar no mérito do Cristovão Colombo, quando eu me decidir que raios ele fazia na embarcação defino quem descobriu a América!! - risos)

Brincadeiras à parte, Amerigo Vespucci é uma coisa bacana para alunos do Ciclo I de Educação (1-5ª series), para se chegar em sala vestido de navegador, com um timão nas mãos e uma grande viagem aos mares da imaginação, ou uma espada de plástico e um pouco de marotagem "Independência ou Morte!!".
Brincar de História é melhor que brincar de Direito.

Mas, para aqueles mais velhos, que estão no colegial "brincando de vestibular" as formas são outras, como aquelas perguntas infames de:
_ O que fazia Dom Pedro atrás de uma moita ?
_ Se Cristovão Colombo descobriu a América, por que ela se chama América?
_ Como os alemães concordaram com a Segunda Grande Guerra?
_ E a guerra fria? Como era?
_ O Brasil viveu a ditadura como? quando? por quê?

Enfim, essas e outras questões são as coisas que movem as mentes dos adolescentes no Colegial. E em meio a tudo isso, como não falar de sonhos, projetos de vida, fazedores de História, descobridores de mitos e criadores de casos, a vida é isso, essa grande descoberta, esse grande aprendizado.

Neste aspecto, como inserir Jesus, o grande Divisor de águas na História, como um Amigo que vale a pena?
É um desafio! Mas, não é tão dificil, o trabalho todo é Dele, minha função é falar com todo o amor do mundo sobre Ele! Meu Amor Maior!