quinta-feira, 13 de maio de 2010

Amor é estrada




Ouço tanto falar em amor, mas, pouco vejo a vivência desse amor. E, nos ultimos dias, tenho vivido o amor de Deus, de muitas formas. Vivido o amor de Deus em lugares diversos. Aprendido sobre o serviço, entrega e renúncia.
Tenho visto que existem pessoas apaixonadas por Deus e que vivem conforme acham ser correto e dão tudo de si à Ele.
Enfim, as pessoas não são suas idéias, as pessoas não são um amontoado de coisas, são um todo integral que se dividem em corpo, alma e espírito. Há uma vida complexa sob a qual devemos compreender que paira o amor de Deus, e nossa função não é acusar e subjulgar, nem tampouco concordar e se submeter, nossa função é amar, servir e com a Vida à serviço de Deus, respeitando o Tempo, observar as mudanças de estações.

Jesus não enfiava conceitos densos, Ele trabalha com cada um segundo sua natureza completa. Para uns apenas a cura física bastava para experenciarem o amor de Deus (ex.Cego de Jericó), para outros alguns conceitos teológicos simples e um diálogo (Mulher samaritana junto à beira do poço de Sicar) já os atrai ao Pai e ainda alguns precisam passar anos caminhando com o Mestre e o abandonar para compreender que não podem viver sem Ele.

E Jesus respeitou a cada um, tratou sempre todos com amor e cuidado, e, aos sacerdotes algumas vezes se irou, pelo fato de que eles lideravam o povo e não viviam o amor de Deus e seu cuidado, não viviam a Sua Palavra, não estavam com o povo, mas contra o povo, semeando discórdia (como alguns ainda hoje, seja lá qual for a religião, fazem). O que neste trecho é importante ressaltar, é que, Jesus não se irou contra os sacerdotes por quem eles eram como pessoas, mas, se irou porque: os sacerdotes eram hipócritas, semeadores de discórdia, orgulhosos, se achavam mais "santos" que os demais, agiam como donos de seus templos, impediam que aqueles que tinham sede de Deus se achegassem a Ele.
O problema aqui não é ser apenas sacerdote, mas, impedir que outros se acheguem a Deus, colocar uma pedra no caminho entre Deus e o homem.

A questão aqui é: como você age em relação aos que tem sede de Deus e o desejam, mas não tem como caminhar por não enchergarem o caminho (cego de jericó)?
como você age em relação àqueles que conhecem um pouquinho, mas estão aprisionados emocionalmente e se sentem os piores dentre os piores (mulher do poço)? E, como você age em relação àqueles que caminham com Jesus o tempo todo, mas acabam traindo-O por medo e falta de conhecimento da essência do Senhor (apóstolos)?

Pense nisso.

Naquele que vê além do que eu vejo,

APS