segunda-feira, 5 de julho de 2010

Sexo é como bolo depois do almoço

dama

Por que mulheres são tolas que não conseguem escrever quando se sentem inseguras de algo?

Eu por exemplo, quando recebo e-mails, leio alguns umas quinze vezes antes de responder, porque sempre tenho que me conter pra não falar demais, ou de menos. Tudo por um grande medo bobo da reação do outro.

O blog pelo menos é algo que não sei quem lê e nem quantos lêem. Afinal de contas, pra que saber não é mesmo? Então não preciso me preocupar com “será que ele vai ler? será que ela não vai se aborrecer?” Simplesmente falo e pronto!

Por isso é que agradeço não viver na Idade Média, pois que em 2 anos de existência do blog eu já teria virado carvão na fogueira…

Aliás, falando em fogueira, lembrei da febre “Edward\Jack”, alguém pode por gentileza apertar o pause e aliviar a carga? Simplesmente não aguento mais isso.

(Tudo bem que, vencida pelo cansaço, peguei os dois filmes pra assistir pra poder descobrir se é tudo isso mesmo ou, se trata-se apenas de utopia feminina – MAS ainda não assisti)

Todavia, entretetanto e no entanto, não é pra falar de Edward, não é pra falar de medo que apareci pela segunda vez neste blog.

O fato é que estávamos discutindo alguns assuntos aqui e surgiu o papo “sexo antes do casamento”. 

Minha opinião, segundo as meninas aqui, é retrógrada e utópica, porque eu acredito no casamento fiel. Em que, mesmo que por algum infortúnio (ou por livre vontade) um dos parceiros, ou ambos, não sejam virgens, porém, decidem por esperar o tempo correto pra constituirem família.

Afinal, o grande lance de transar antes de casar é a culpa que surge com isso. Você passa a carregar um fardo de culpa do tamanho de um piano de cauda. Medo dos pais descobrirem, medo de engravidar, medo de ter que parar a faculdade ou os cursinhos, vergonha de si mesmo porque sonhava em ser “puro” pra ser merecedor do ‘vestido branco’. Aquela coisa de menina de entrar linda na igreja e descobrir tudo na noite de nupcias. É realmente romântico. E eu sou uma boba romantica.

Eu acredito que “transar depois” é como almoçar na hora certa, o bolo fica mais saboroso e não dá dor de barriga. Se aconteceu antes, fazer o quê?! Cuide pra não acontecer agora, ore, encontre a pessoa ideal: Case! Tenha filhos…

Saiba que acima de tudo, carregar um piano nas costas dá problemas lombares catestróficos e piora se você escolhe o piano em cima e um bebê no ventre. Tem hora certa pra tudo. Crianças são bênçãos brilhantes que mudam toda uma história. Tem que pensar bem…

Vale a pena esperar!

 

Naquele que conhece o seu coração,

Amanda Perbeline

Pipoca, Trapalhões, Copa e Segunda-Feira

42-17323931

Ontem parei a vida pra assistir filmes. Pegamos dois. O primeiro foi “Os fantasmas de Scrooge” que é uma repaginação da conto de Charles Dickens, bem legal! Mas eu não indico pra crianças. Tomei altos sustos!!

E na sequencia assistimos “Julie & Julia”, muito legal! Dá uma fome porque eles passam o filme todo falando sobre comida e falam sobre blogs.

Me identifiquei muito na hora em que Julie desabafa:

_ às vezes acho que estou escrevendo este blog e mandando tudo pra um grande espaço no meio do nada! E que ninguém me lê.

Pois é.

Como hoje é segundona pós Copa. Estão todos entorpecidos e revoltados pela derrota do Brasil, porque ninguém aceita perder nada e ficam procurando um bode expiatório, resolvi compartilhar uma letra animadinha que eu gosto muito, me faz lembrar dos bons tempos da vida e do quanto a Vida é Bela.

Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Hollywood fica ali bem perto,
Só não vê quem tem um olho aberto
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Hollywood é um sonho de cenário,
Vi um pau de arara milhionário
E eu que nem sonhava em conhecer o tal recife,
Pobre saltimbanco trabalhão…

Hoje sou mocinho, sou vizinho do xeriffe,
Dou rabo de arraia em tubarão...
Não...
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Tem de tudo nessa Hollywood
Vi um índio cheio de saúde
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
How do you do? Caruaru
I wanna see, piri-piri
Ó nóis aqui...
Ó nóis aqui...
Ó nóis ali...
Ólha nóis ali...
Camelôs, malucos, engraxates,
Aproveitem enquanto o sonho é grátis...
Quem é de negar que é bom dançar, que a vida é bela?
Nesse fabuloso xanadú?
Eu só tenho medo de amanhã cair da tela...
E acordar na cama do Gugu!
How do you do? Panabuiú
I wanna die, no Paraguai...
Hollywood and Me.

By the way, curti à beça o post sobre a Copa que a Nathy esreveu no Grande Criador.

É isso!

Uma segunda muito boa pra vocês.

Naquele que ama até as segundas,

Amanda Perbeline