terça-feira, 3 de agosto de 2010

Olhares

 

Alguns olhares dizem tanto que mesmo em fotos parece que sinto o fardo que eles carregam.

Uma vez ouvi uma senhora de idade falar que não tirava fotos porque alí sua alma ficaria aprisionada. Tudo bem que isso não passa de crendice popular não comprovada cientificamente, como se para os antigos o flash da máquina fosse um tipo de instrumento da "cruz de hór" (deus egípcio que segundo a lenda tinha o caminho para a imortalidade da alma na divisão e prisão dela nos objetos terrenos), como se a alma ficasse ali e evitasse a morte terrena da pessoa.

Bem, fato é que ao olhar para aquele rosto cansado, aquelas marcas de sol, aquele brilho difuso que ela carregava. Imaginei quais seriam seus fardos. E muita coisa me passou pela cabeça...

Uma vida de luta, talvez pais ausentes, trabalhar como escravo desde os seis anos, olhares que escondem dores, comprometimentos, segredos de toda uma vida, fardos pesados, cicatrizes e feridas não cicatrizadas. Janelas da alma. Janelas da alma...

Quando você olha dentro dos olhos de alguém, parece que mergulha dentro daquele alguém, os mistérios não revelados começam a querer contar pra você uma história. Alguns desses olhares parece que demonstram isso nas fotografias, você percebe olhares sedentos de conhecimento, olhares cheios de vida, olhares envergonhados, olhares desencontrados. Os nossos olhos revelam nosso coração.

Alguma vez na vida você olhou pra alguém com segundas intenções? Confesse agora a si mesmo, admita essa possibilidade. E, hoje, te desafio a algo mais: Repense as situações que te magoaram. Será que você realmente estava sozinho aquele dia em que pensou que ninguém mais no mundo te amasse? “Porque ainda que teu pai e tua mãe te abandonem, EU, todavia não me esquecerei de ti.”

Ou absurdamente culpado. Enfim... Nada, absolutamente nada, que você carregue em seu olhar pode mudar o fato de que o Olhar Dele, Seu Senhor e Deus, pousem sobre você e te inundem...

Naquele que tem os Olhos mais atraentes que conheço,

Amanda