domingo, 11 de dezembro de 2011

Gente miúda

É… faz realmente a diferença você ouvir o outro. Às vezes o tempo que se dá é o tempo que se ganha. Não entendeu né? Eu ainda não entendo muito bem muita coisa, às vezes as pessoas pensam que me conhecem, poucos são os que realmente entendem o que se passa aqui dentro. Fazer o silêncio dos sentidos, mergulhar na noite escura, haja coragem.

Hoje ouvi que contar histórias faz com que as pessoas se aproximem de nós. Eu gosto de contar histórias. Gosto de atrair pessoas. Coisa de família ser meio Forrest Gump… mas eu gosto e me orgulho disso. Há quem critique, isso não é problema meu, não tenho que me ocupar dos pensamentos dos outros. (Ok, às vezes é relevante, quando não, esqueçamos e sempre em frente!)

Ultimamente tenho exigido de mim mesma ser bem forte, ser gran, responsável, adulta. Mas, não sou assim tão grande e nem quero ser. É ruim ser gente grande. Sabe por quê? Porque pessoas grandes não sabem desenhar, não sabem olhar o céu, não conhecem as estrelas. Pessoas grandes são esquecidas, se preocupam com ganhar dinheiro, namorar, rituais, um trambolho inventado chamado sociedade, umas coisas meio sem sentido como “poder”… coisas que realmente não consigo entender e não gosto.

Bom mesmo é ser gente pequena. Gente pequena corre, brinca, conta causo, tem quintal, faz de conta, aliás, eu gostava de ser guerreira de épocas distantes, ganhava todas as batalhas, sofria, me arrebentava, mas, já viu guerra sem machucado? Ia pro campo e resgatava o indefeso, cuidava do ferido, arrastava o amigo do front e colocava no ombro e saia feito um gato, ninguém me via. Eu era a menina do vento. Esse negócio de mocinha indefesa não era pra mim, gostava mesmo era de correr e escalar.

Aí quando estava cansada deitava no chão e pronto. Noutros tempos ainda mergulhava nos pensamentos e ninguém me atrapalhava, eu tinha um mundo igual ao do “Lucas Silva e Silva” do seriado Mundo da Lua.

Você não teve isso?

Você prefere ser grande?

Eu gosto mesmo é de gente miúda que canta pra trazer quem tá longe pra perto. Que diz que cuida de você e que tem superpoderes… gente pequena que ama tem poder demais pra uma gente só e não há gente grande que resista ao abraço de uma gente pequena.

No fim das contas percebi que o que eu quero mesmo é ver meus irmãos!!! E andar pelo mundo sendo gente pequena, me fingindo de gente grande pra disseminar por aí os abraços e o jeito de como é ser gente pequena.

Saudopandas pra vcs,

sábado, 10 de dezembro de 2011

Porque gosto de gente.

Essa é a terceira ou quarta vez nas última 24 horas que tento postar alguma coisa aqui e o raciocínio não flui. Sinceramente estas panes de inspiração que de repente surgem me deixam com a sensação de “fui vencida”. É, porque quando você se dá conta lá se foi a inspiração, a música te distraiu, alguém entrou no teu quarto, o cachorro do vizinho latiu. Claro, sempre tem um cachorro do vizinho, ou um vizinho guitarrista-bateirista-tecladista-rockeiro, como o meu caso, pra diluir sua inspiração com o Bléeeeem da guitarra.

Lógico que ele não faz por mal e nem você perde a inspiração por mal, simplesmente acontece e você tem que assumir lá se foi a ideia pro saco

Mas, deixando pra lá o papo dos vizinhos multinstrumentistas que ocupam meu quarteirão e me acordam antes das oito no sábado, vamos ao que realmente importa. PESSOAS.

Já parou pra pensar no quanto as pessoas são especiais? Hoje me disseram que não sou pessoa de multidões, que meu negócio é olhar dentro dos olhos. Concordo, não troco nada por uma conversa sentada na calçada, olhando dentro dos olhos, ouvindo, apreciando o céu. Porque o céu é tudo o que tenho e o meu interlocutor é a porta do céu. E normalmente eu aprendo mais do que ensino. Não adianta, o que é que uma pirralha de vinte e quatro anos ensina, eu, além de deixar a maior parte meio doida, malemá sei pra me virar, então o negócio é aprender!!

Algumas conversas eu realmente preciso de dias, meses, anos pra digerir, algumas são tão saborosas que simplesmente não quero deixar por nada e outras são verdadeiros deleites pra alma, pro coração, pra tudo, porque te elevam, ou te contrariam, o que importa é que você saiu enriquecida porque encontrou alguém.

E obviamente você pode pensar que to falando de relacionamento amoroso… falhou… to falando de qualquer relacionamento. Já se deu conta de que você sempre está se comunicando? E se você não souber se comunicar invariavelmente terá problemas? Bem, eu gosto de pessoas, pessoas particulares de um mundo comum, pessoas especiais pra uma vida comum, que tornam o comum absurdamente especial e incomum.

Hoje rí muito com a minha mana Mi, rí lavando roupas e ela tentando me derrubar com a mangueira (ela lavava o quintal). Depois fomos cada uma lavar o seu banheiro… ela fez o jantar, eu fiz o tereré, e a barata intrusa me fez pular pra cima do sofá como a medrosa que sou. Simples, comum, porém marcante, com gosto de família. Você precisa de uma mala verde de dólares? Eu só preciso de pessoas… simples, amigas, que estão alí pra me salvar das baratas horrorosas.

Outra coisa que adoro é conversar com gente rica, rica de alma, de espírito, de simplicidade. Em Salvador mora uma criatura que simplesmente me encanta. Por vários motivos que no dia 22 de Janeiro farei questão de dizer. É simples, é humano, é essencial. Que aproveito o espaço pra dizer… separa a garrafa de água que faltará saliva!!!

Você não gosta disso? Não posso fazer nada. Isso é o melhor da vida e você tá jogando fora. Deixe de ser bobo e aproveite. A vida passa depressa demais pra você se perder nela. O fantástico é curtir como quem toma um sorvete num dia de sol. Ou quem vê a Nárnia encantada atravessando a rua cheia de árvores mais antigas que sua vó.

“Cative! Deixe-se cativar como eu deixei, faz tão bem… aliás… como meus amigos do Crombie cantam: Faz tão bem cobrir de carinhos alguém. Repartir com o outro o que você tem…'”

Aliás, faz tão bem que finalizo com eles de trilha sonora pra você.

Com cenas dos filmes “Central do Brasil” e “O contador de histórias”. Vale a pena assistir ambos. A canção é por conta da banda carioca Crombie.

É isso,

Pandoogle aos navegantes,

domingo, 27 de novembro de 2011

Sou Vossa

Santa Teresa de Jesus (Teresa d’Avila)

42-15232548

Vossa sou, para Vós nasci,

Que quereis fazer de mim?

Soberana Majestade,

Eterna Sabedoria,

Bondade tão boa para a minha alma,

Vós, Deus, Alteza, Ser Único, Bondade,

Olhai para a minha baixeza,

Para mim que hoje Vos canto o meu amor.

Que quereis fazer de mim?

Vossa sou, pois me criastes,

Vossa, pois me resgatastes,

Vossa, pois me suportais,

Vossa, pois me chamastes,

Vossa, pois me esperais,

Vossa pois não estou perdida,

Que quereis fazer de mim?

Que quereis então,

Senhor tão bom,

que faça tão vil servidor?

Que missão destes a este escravo pecador?

Eis-me aqui, meu doce amor,

Meu doce amor, eis-me aqui.

Que quereis fazer de mim?

Eis o meu coração,

que coloco em Vossas mãos,

com o meu corpo, minha vida, minha alma,

minhas entranhas e todo o meu amor.

Doce Esposo, meu Redentor,

para ser Vossa, me ofereci,

que quereis fazer de mim?

Dai-me a morte, dai-me a vida,

a saúde ou a doença

dai-me honra ou desonra

a guerra, ou a maior paz,

a fraqueza ou a paz plena,

a tudo isso, digo sim:

Que quereis fazer de mim?

Vossa sou, para Vós nasci,

Que quereis fazer de mim?

sábado, 26 de novembro de 2011

Noite Escura– s. João da Cruz

rosa-6079

Em uma noite escura De amor em vivas ânsias inflamada
Oh! Ditosa ventura!
Saí sem ser notada,
´stando já minha casa sossegada.
Na escuridão, segura,
Pela secreta escada, disfarçada,
Oh! Ditosa ventura!
Na escuridão, velada,
´stando já minha casa sossegada.

Em noite tão ditosa,
E num segredo em que ninguém me via,
Nem eu olhava coisa alguma,
Sem outra luz nem guia
Além da que no coração me ardia.

Essa luz me guiava,
Com mais clareza que a do meio-dia
Aonde me esperava
Quem eu bem conhecia,
Em lugar onde ninguém aparecia.

Oh! noite, que me guiaste,
Oh! noite, amável mais do que a alvorada
Oh! noite, que juntaste
Amado com amada,
Amada no amado transformada!

Em meu peito florido
Que, inteiro, para ele só guardava,
Quedou-se adormecido,
E eu, terna o regalava,
E dos cedros o leque o refrescava.

Da ameia a brisa amena,
Quando eu os seus cabelos afagava,
Com sua mão serena
Em meu colo soprava,
E meus sentidos todos transportava.

Esquecida, quedei-me,
O rosto reclinado sobre o Amado;
Tudo cessou. Deixei-me,
Largando meu cuidado
Por entre as açucenas olvidado.

flor

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Cativa-me

42-15397707

Hoje gostaria de lhe ver!

Não me contentando em apenas ouvir, ler, ver imagens longínquas de maravilhosos passeios, de partilhas, de saudades. Acordei querendo te ver mais perto. Ajudar a lavar a louça, ajudar com o almoço, o jantar, descer a escadaria, contar os barcos, as estrelinhas, deixar pegadas na areia da praia, partilhar o mesmo pão.

Tive vontade de tocar violão, dançar, cantar, contar histórias, me ajoelhar ao seu lado e ouvir também sua prece. Talvez isso seja saudade. Saudade de uma amizade linda que temos construído com os conselhos da pequena Raposa. A mesma raposa que ensinou o princepezinho a cativar. Que gostava de ver o trigo nos campos. Que ensinou valores e princípios de partilha. Que tinha fé no amor. Esta raposinha quem nos ensinou a cativar.

image004

Tu me cativaste. Acho que também te cativei. Agora, quando são duas horas meu coração se inquieta, às duas e meia estou ansiosa, por fim às três da tarde é como se eu soubesse que em algum lugar no Infinito alguém toca o Coração do Mestre junto comigo.

Hoje dormirei feliz. O Céu não tem estrelas pra contar, mas ouço as gotas da chuva bater na janela e me lembro de que em algum lugar no Infinito também ouvirás o som da chuva, se é que já não ouviste antes de mim. E, nos sonhos, eu caminharei pela praia, sorrindo e brincando com a amiga que me ensinou a cativar.

Como é bom ser cativado por alguém.

image006

domingo, 13 de novembro de 2011

Sobre a oração

Já sentiu aquele desejo profundo de falar algo para Deus e não conseguir falar nada? Como se o Transcendente transpassasse seu coração e sua alma e nada restasse além do desejo de estar com Ele. Um amor que é só Dele.

Fatigado do exterior, cansado de toda a correria, das palavras de fora, almeja-se as palavras de dentro. Aquelas que fluem da intimidade do Ser.

Orar não consiste em ouvir-se a falar; orar consiste em ficar em silêncio, estar e esperar em silêncio, até ouvir Deus.

(Soren Kierkegaard)

Quando não se consegue falar, quando tudo o que se tem é um desejo não expresso em palavras…

Tentarei ser mais clara, às vezes as nossas palavras são confusas, pouco claras e reduzem tudo o que sentimos e desejamos ao estrito espaço das letras e ficamos frustrados, ouvindo-nos a nós mesmos. O convite a ser feito é a entrega de tudo, rendição total, especialmente das palavras.

Não fique irritado se não conseguir falar. Ele conhece além das suas palavras. Ele lê os anseios da sua alma. Ele lê seus pensamentos e sentimentos. Te perscruta por completo.

Intimamente, perfeitamente, sem a interferência de um “pré-conceito” a seu respeito. Aliás, Ele te respeita. Respeita sua liberdade de falar e de silenciar. Seu desejo é ter intimidade com você, Ele fala com você na intimidade do seu silêncio. Que é profundo e forte, sereno e singelo, contraditório e fantástico.

De repente, compreendi o silêncio como uma presença. No coração deste silêncio estava Ele, que é todo silêncio, paz e abandono

(Georges Bernanos)

Curioso como temos a mania de reduzir Deus ao que é próprio do homem, achamos que Ele cabe dentro de nossas concepções, de nossas certezas, que sente o que nós sentimos. Ele que é todo amor não sente como nós. Não tem falhas no caráter. Não é o que pensamos que seja. Ele é maravilhosamente perfeito e amoroso.

Em minha opinião, a oração mental não é mais do que um tratar de amizade, estando muitas vezes a só com Quem sabemos que nos ama.

(Santa Teresa de Ávila)

Delicado, respeitoso, amante, arrebatador. Que te engolfa apenas com o olhar. Quando você o atrai e se deixa atrair é impossível sair de Sua presença da mesma forma. E o que você é passa a ganhar a forma Dele. Seu rosto passa a se parecer com o Dele. E Cristo começa a se formar no seu coração, alma, caráter, vida! Por completo.

Para mim, a oração é uma elevação do coração, um singelo olhar para o Céu, um clamor de gratidão, o amor no meio da provação e da alegria.

(Santa Teresa de Lisieux)

fly

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Sobre a Misericórdia

Comecei a refletir sobre o que seria “Misericórdia”, aí, formando uma linha de pensamento, sem muitas conclusões, perguntei pro pessoal no msn.

“é se compadecer do próximo”

“é acolher ao invés de julgar”

“é acolher a infelicidade do outro como se fosse sua”

“é sentir o sofrimento do outro como se fosse na sua própria carne”

“Misericordia para mim é quando o coração pulsa com o coração do outro, é sentir com..”

Foram algumas das frases que me tocaram. E percebi que nessa continuidade em me colocar no lugar de “pequeno grão junto ao banco de areia da praia” é que, mesmo incompreendendo a razão pela qual alguém deseja ser misericordioso, eu vivo a misericórdia. E, ao sentí-la, minhas barreiras e fortalezas de orgulho e pecado caem por terra.

Aqui descubro o que levou o Pai do Filho Pródigo a abraçá-lo em vez de mandá-lo aos opressores. Aqui descubro o sentimento de Cristo ao aceitar a cruz. Aqui vejo seus Olhos pousando sobre mim, olhando todas as minhas misérias, exatamente como sou, com tudo que eu sou, todas as coisas que me tornam humana e todos os erros que cometi e até os que cometerei, e percebo que isso não torna Seu sacrifício condicionado a algo… Ele continua me amando…

E não consigo fazer outra coisa a não ser caminhar em Sua direção, pedir que segure minhas mãos e me guie. E pedir para que me aceite em sua casa… e sinto seus olhos sobre mim… sinto Ele colocando um anél em meu dedo e sandálias em meus pés. Vivo a sua misericórdia e alcanço sua graça.

Mas, Ele com apenas um olhar me alcançou. Me enterneceu. Senti sua misericórdia e desejei mais de seu amor.

Sem conceitos. É isso. Viva. Aceite. Ame. E, após viver a misericórdia contínua de Deus, tenha você também ações de misericórdia.

Forte abraço,

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Ao Mestre, com carinho.

Senhor,
Me torne sensível à Tua Voz,
Não frágil para que minha carência humana me cegue,
Mas com a fortaleza de Teu Espírito para fazer tua vontade,
Humilde como Tu para ouvir as críticas e os elogios de minhas irmãs,
sem me corromper com a vaidade,
Me faça desprendida e abnegada,
mas não sem personalidade e passiva,
Que eu seja teu reflexo para ser mais humana,
E tenha suas atitudes para ser mais divina,
Que eu assuma meus erros, pois também sou pecadora,
Que eu saiba o caminho do arrependimento e trilhe por ele
Seja minha luz e não andarei em trevas,
Seja meu coração e estarei segura em minhas emoções
Seja minha vontade e pensamento e agirei com teus desejos
Forme teu rosto em mim, pois a Tua vida é meu desejo maior
Quero que andes em meus pés
Fale em minha boca
Sinta em meu coração
Sejas Tu em mim, e eu em Ti até sermos um só coração
Desejo viver a eternidade no meu dia-a-dia
Esperar em Ti e prosseguir caminhando
Pois não posso mais viver só pra mim
Por isso me rendo à Ti,
Amém
 
(Perbeline, 13-10-2011)

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Sobre a Liberdade.

42-19952854

Eu passei a manhã quase toda queimando meus pobres neurônios pra pensar a respeito de liberdade, não consegui formular nada sintético que expressasse exatamente o que eu sentia. A primeira análise, parece que sou um tanto adepta das teorias empírica e utilitária afinal, a liberdade apresenta-se como

a capacidade individual de autodeterminação, caracterizada por compatibilizar autonomia e livre-arbítrio com os múltiplos condicionamentos naturais, psicológicos ou sociais que impõem predisposições ao agir humano

Logo, a liberdade é o que me permite experienciar e refletir, levando em consideração aquilo que carrego de natural, psicológico e social, que me forma enquanto Ser, que me torna personalizado enquanto ser consciente e igual enquanto ser biológico.

PIC7.tmp

Sendo assim, depois de todo esse blablablá filosófico, queria compartilhar algumas coisas, dentre as quais posso considerar a resposta vocacional de alguém. Antes de mais nada, queria explicar que vocação é um chamado divino. A primeira delas é a vocação à vida. Da minha perspectiva, a vocação à vida é que se pauta na alegoria criacional de que Deus forma o homem do barro e lhe sopra fôlego de vida.  Todo homem é chamado à Vida.

A segunda vocação é a cristã: Todo homem é convidado a crer e seguir Jesus Cristo como resposta para sua condição de queda e desejo de redenção, tendo como porta de ingresso o batismo.

As outras vocações são: Matrimônio, segundo a qual homem e mulher são chamados a constituir família. A vida leiga consagrada, segundo a qual se vivem os preceitos evangélicos de castidade, pobreza e obediência, porém sem viver em comunidade. A vida consagrada, que é aquela em que se vive em comunidade o seguimento mais radical de Jesus, através dos preceitos evangélicos. Enfim gente, deu pra perceber que vocação é um apelo  ou inclinação para uma opção de vida né. Então tá, rsrs, maiores dúvidas procure uma livraria paulinas mais próxima de você e questione as irmãs por alí, elas vão ajudar com toda certeza rsrs. Porque o objetivo do papo de hoje é falar sobre a RESPOSTA que se dá à vocação.

IMG0267A

Quando nós nos deparamos com um questionamento sério sobre “o que fazer da nossa vida?”, quando se tem um amor muuito grande pelo Evangelho, pela Igreja, pela vida e por missões, é possível que se tenha uma vocação religiosa despontando.

De repente você acorda, inquieto, se questionando, com milhões de dúvidas, para, reflete e lança ao vento: _ Será que isso que eu to sentindo é vocação para a consagração?

mp_love_never_fails-web

Aí minha filha! Se prepare pra trilhar a aventura mais radical da sua existência simples. Esse foi o pontapé inicial que eu dei rumo à coisa mais doida que já vivi, o encontro com a mais pura resposta que poderia dar à Deus, livre de vícios, de máculas, de indução ao erro, numa constante ascese que culmina na recepção mais intensa do amor de Deus no coração.

Por fim, depois de quatrocentas mil à enésima potência de crises, surtos, questionamentos, eu descubro que a resposta que dou à Deus é fruto da mais intensa liberdade que tenho, que o que faço é por gratidão, por desejo de viver a rtadicalidade do Evangelho, por sincera entrega, porque… Ele me venceu e minha massa cinzenta não conseguiu arranjar desculpas para a fuga e terminei rendida, em estado de graça, de entrega total e abandono à sua vontade.

evolução

Isso é consagração, entregar-se à vontade de Deus na vivência da ascese cristã, observando a Palavra do Senhor.

“De que maneira poderá o jovem guardar puro os seus caminhos? Observando a sua Palavra, ó Senhor” Sl. 119.

É isso!

em 06-10-2011, São Paulo – SP

Panda

Apenas humana

De repente você descobre que não é um X-Men. Pois é, você acordou do sonho cara, não adianta correr rumo a outra padaria e nem pegar metrô pra tentar na região próxima, já era… você não tem super-poderes. Não pode controlar nada. Se liga, você não consegue mudar isso.

Deu pra perceber? Preciso desenhar? Não, não é revolta, tô só constatando os fatos. Estou me dando conta de que não tenho como mudar algumas situações, obrigar pessoas a agirem de outro jeito. Algumas atitudes simplesmente acabam comigo, me deixam com o coração partido demais, e, se você não sabe o que é se sentir impotente diante de uma situação, não sabe o que é um coração que se parte.

É, talvez você seja mais um pamonha…

y1plIRzfjiLv9HZ3nELvN4UPSSIEppSc2F_UhEwQdS_RhYCTIrMFKKQ-h0ym2RWxpoCSihNgkXCTGg

Choro. Choro quando descubro que sinto saudade e que não posso mudar as circunstancias. Essa dor é profunda demais, e, simplesmente aconteceu. Partilho algumas cicatrizes sim, mas, é preciso prosseguir. Inevitavelmente, é preciso caminhar.

Aqueles que nunca alimentaram sonhos não sabem o que é vê-los no chão, sem possibilidade de ressurreição. José, filho de Jacó sabia… ele estava numa prisão fétida, tinha sido vendido por seus irmãos. E eu sei, estou diante de uma situação em que minhas mãos de panda estão atadas. E nem com toda habilidade do mundo não poderia reverter este quadro. Eu não tenho poderes sobrenaturais. Não, eu não sou o Kung-fu Panda, apesar das considerações contrárias.

Quem ama corre o risco de chorar. Eu escolhi esse risco. Eu escolhi chorar. Não quero me prender no esquife das minhas mazelas, na podridão do meu orgulho, exalando o fétido suor de uma autosuficiencia mesquinha e infantil. Eu quero e escolho amar. Mais uma vez.

ruesa

“A maior fraqueza do homem é poder tão pouco por aqueles que ama” – Blaise Pascal

“Não alcançamos a liberdade buscando a liberdade, mas sim a verdade. A liberdade não é um fim, mas uma consequência” – Leon Tolstoi

“Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro” – Jean Paul Sartre

“O primeiro serviço que alguém deve ao outro na comunidade é ouví-lo. Assim como o amor a Deus começa com o ouvir a Sua Palavra, assim também o amor ao irmão começa com aprender a escutá-lo. É prova do amor de Deus para conosco que não apenas nos dá sua Palavra, mas também nos empresta o ouvido. Portanto é realizar a obra de Deus no irmão quando aprendemos a ouví-lo. Cristãos e especialmente os pregadores, sempre acham que tem algo a ‘oferecer’ quando se encontram na companhia de outras pessoas, como se isso fosse o seu único serviço. Esquecem que ouvir pode ser um serviço maior do que falar. Muitas pessoas procuram um ouvido atento, e não o encontram entre os cristãos, porque estes falam quando deveriam ouvir…” – Diedrich Bonhoeffer

De volta ao Paraná, Abraços,

Panda

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Aquela do Compromisso

Hoje o papo é sobre compromisso, e não adianta fugir moço, de hoje você não me escapa! Ora vamos, eu não mordo… Seja um bom moço e se achegue aqui. Quero começar essa conversa com as palavras de um certo Severino, de João Cabral de Melo Neto:

Somos muitos severinos, iguais em tudo na vida. Na mesma cabeça grande que à custa que se equilibra, no mesmo ventre crescido, sobre as mesmas pernas finas e, iguais também, porque o sangue que usamos tem pouca tinta. E se somos severinos, iguais em tudo na vida, morremos de morte igual, mesma morte severina, que é a morte de que se morre de velhice antes dos trinta; de emboscada antes dos vinte; de fome um pouco, por dia; de fraqueza e de doença é que a morte severina ataca em qualquer idade e até em gente não nascida. Somos muitos severinos, iguais em tudo e na sina; há de abrandar estas pedras suando-se muito em cima; (…) há de querer arrancar algum roçado da cinza.

(João Cabral de Melo Neto, Morte e Vida Severina)

OgAAAEa2P45gqzqR2qT-4471Q4gTTQ555rlTz88YfjVPQtHNOE_34RNiZF9Lm1dAxRq5TDjTnbUbNa9KoSZbSwGDqB4Am1T1UKRkY5RTBqYu_OJLlW14i0IBA7Ts

Nossas leis me dizem que é fundamento da República Federativa do Brasil a chamada dignidade da pessoa humana, mas ora, que seria essa dignidade? Que seria esse fundamento valorativo a que se manifesta nossa Carta Magna chamando à si a possibilidade de que seus cidadãos tem fulcrado em seu Estado Maior uma esperança?

Seria possível tamanha possibilidade de vivência? Não é muito prepotente tal anseio? Conseguiria um Estado Soberano conceder algo ao seu cidadão tão oprimido e tão doente?

Se você já viu como é a fila do Sistema Único de Saúde (S.U.S.) sabe bem o que eu digo. Ontem assisti a uma palestra em que um médico tratava sobre o ensino da ética na Medicina. E apresentando alguns gráficos a respeito do tempo em que uma pessoa leva para ser atendido, ele constatou a realidade deprimente e caótica de nosso sistema de saúde.

Disse que uma pessoa leva em média de seis a oito meses para conseguir consultas em determinadas especialidades médicas, ironizou o fato de que muitos se alegram ao conseguir a bendita “senha” de atendimento. Mas, claro, “somos muitos severinos, iguais em tudo, e na sina…”, e quando o paciente chega no tão esperado dia de sua consulta, passa em média 1 hora ou pouco mais sentado num banco à espera de ser chamado, e quando chega sua vez, o médico sequer olha pra seu paciente, sequer o chama pelo nome e o atendimento leva cerca de dez minutos. Ao médico, “somos muitos severinos”, ao paciente “morremos de morte igual, mesma morte severina”.

morte severina

Não me contentando em falar a respeito da saúde, quero questionar: Quanto brasileiros e brasileiras não abdicam seu almoço, seu jantar pra alimentar os filhos? Porque a estes “pra que outros possam viver, vale a pena morrer”. Será que a dignidade da pessoa humana é um fundamento do nosso Estado?

Será mesmo que todos tem liberdade de crença? Apesar do que diz nossa Constituição Federal, por que morreu Dorothy Stang? As notícias a respeito dizem que suas últimas palavras teriam sido no sentido de que sua única arma era o Evangelho.

Será que temos proteção ao menor? Em nossas cidades litorâneas o que mais se vê são crianças de 4 a 12 anos, isso mesmo, CRIANÇAS, que chegam em turistas, caminhoneiros, viajantes, e até moradores locais se submetendo à qualquer favor sexual por cinco reais. E então, ao serem questionadas sobre o porque fazem isso, muitas das respostas são: “Tenho fome; Meus irmãozinhos não tem o que comer; Moço, há dias não sei o que é arroz…” Seria isso dignidade? Somos um povo digno?

42-17990061

A Dignidade da pessoa humana, enquanto norma, mesmo que valorativa, implica numa ação do Estado para que sua eficácia não seja posta à prova. Massificou-se a chamada dignidade, e tudo se tornou violação da dignidade. Ora, não estou a dizer que quero uma conta recheada, nem carros, casas, nem propriedades, estou falando de saúde, de alimentação, de proteção à infância.

Será que você que é pai, mãe, ou que tem irmãos menores, sobrinhos, como você se sentiria se soubesse que qualquer um dos seus está oferecendo seu corpo, que é seu bem mais precioso, em troca de um bocado de pão?

Como ficaria se soubesse que sua tia, sua mãe, avó, está doente, na fila de um hospital, à espera de um atendimento em cardiologia, sem qualquer perspectiva de consulta?

Como se sentiria se soubesse que seu irmão ou sua irmã, hoje com filhos, não tem se alimentado para que seus filhos possam ter como sobreviver?

O que você faria?

Como agiria?

O que falaria?

A quem recorreria?

Como?

42-16786606

Dignidade da pessoa humana e efetividade das normas… um desafio não só aos juristas, mas também a todo que se diz brasileiro, cidadão, especialmente se for cristão.

Pense nisso!!!

Ser cristão é também se comprometer com o próximo.

Não há cruz sem o outro. Não há cristianismo sem comunidade. “Deus, mesmo sendo perfeito a ponto de poder viver sozinho, escolheu ser comunidade, em três Pessoas que são uma, numa perfeita comunhão”.

Saudações de São Paulo-SP, em 05/10/2011;

Panda.

domingo, 2 de outubro de 2011

Olhos apaixonantes

“mulheres de Jerusalem, conjuro-vos que se virdes meu amado, digam-lhe que estou morrendo de amor” Ct 5..

Será que estou apaixonada?

Estou como na canção de Milton:

Quem sabe isso quer dizer amor?–Milton Nascimento

De repente você se vê meio boba, e pensar naquela pessoa toda especial dispara seu coração, suas mãos transpiram, e você se sente, nos termos mais claros possíveis… uma pessoa babaca! kkk Você só não esquece a cabeça porque ela está em cima do pescoço, mas vejam só, a minha ficou naquele altar.

A olhar n’Aqueles Olhos, sentindo o pulsar d’Aquele Coração. Ouvindo Aquela Voz que me diz “_Te amo!”.. Sentir que Ele vem à mim com delicadeza, cuidado, com um amor sem tamanho. O que sinto vontade de responder? Nada além de lhe devolver o olhar apaixonado e ficar ali quietinha, bem quietinha, pertinho do seu coração. Seria isso a contemplação? Ficar quietinha, muitas vezes de joelhos, no silêncio mais profundo da minha alma, só ouvindo o que Ele tem a dizer.

Não sei. Mas, sei que isso me faz feliz, me completa, me torna absurdamente com a sensação de que sou apenas dEle e assim, nada mais quero a não ser lhE agradar.

Eu já não quero um amor maior que eu, pois, sinto que já o encontrei. E esta é, sem dúvida a pérola de grande valor!

Um domingo lindo pra vocês,

Apaixonem-se por Jesus, e venham… Ele chama!

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Sobre contemplação, amor e conversão

“A oração é mais ouvir do que falar e a contemplação é mais ser olhado que olhar” Não vou lembrar de quem é a frase, entretanto calou no mais profundo do meu ser.

Claro que, pra mim, pessoa que viaja sem muita força kkk, é engraçado olhar pros frisos do piso e de repente começar a chorar de alegria, de esperança e fé, porque, assim como eu limpava a sujeira naquele cantinho tão minúsculo, sabia que Deus faria assim em minha alma se eu deixasse… (viu o nível das viagens? pois é, se disser que eu sou doida, se prepare pra correr kkkk)

Bom, não sei bem como te falar, mas, ainda assim eu sei que vai entender, quando Deus toca lá no mais profundo do nosso Ser, nós admitimos o pior de nós, os mais feios e “peludos” pecados, e de repente, aquele mar de amor inunda tudo e vem arrasando em todos os lugares, quando menos se espera tudo o que sobra é amor… um amor intenso, que te deixa atordoado, isso é o que eu chamo de conversão…

Quero me converter todos os dias!

Fica o convite, simbora admitir os erros e ser gente de verdade? A vida vale a pena ser vivida, e o Caminho, a Verdade e a Vida só no Mestre dos Mestres!

Abraço de panda,

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

desabafo versão mini

Hoje eu bem que gostaria de partilhar alguma coisa, mas, todo mundo que escreve tem dessas, as letras simplesmente entram em greve (como o pessoal dos bancos e nossos amigos dos correios) e ficam assim, e nada do texto se formar decentemente na sua cabecinha.

Fica o desabafo. Peçam a Deus pra semana de provas passar logo e eu conseguir escrever feito gente outra vez.

Forte abraço,

Panda

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

São três da tarde!!!

As três da tarde passaram a ter um significado muito lindo.

Passaram a ser sinônimo de misericórdia, de saudade, de amor eterno… de um amor que te envolve, te acalma, te sacode, te enamora, te apaixona. Sinonimo de família, de risadas, de abraços apertados, de temor a Deus, de partilha, de união.

Sou feito de barro
Do pó dessa terra
O sopro de vida
É o vento que sopraste em mim

Tu sabes quem eu sou.

Fui homem perfeito
Completo, inteiro
Da escolha que fiz
A queda que vi
Me separou de Ti

Tu sabes quem eu sou.

Clamei o meu Deus em alta voz
Gritei o Seu nome na noite escura
Cristo redentor, olhando pra mim
Abriu os Seus braços e me chamou
Me chamou.

Vem...

Misericórdia, Graça e um cálice de amor
Estão na minha mesa antes do sol se por
Todos os dias Deus restaura meu ser
Toda essa obra é tão grande, eu sei, eu sei

Reconciliação!

Tu sabes quem eu sou.

Pra você fica o convite, lembre de Cristo às três da tarde. Lembre da sua infinita misericórdia e do amor com o qual Ele tanto te amou. Pois, foi por sua dolorosa paixão que hoje podemos viver esta obra tão grande de redenção, VEM!

domingo, 25 de setembro de 2011

Partilhando o Pão.

291191_147894901963364_111009048985283_293824_5839364_o

At 6,10 – Mas, não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com o qual ele falava.

† Jo 6,22-29

v. 27 – Trabalhai, não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, alimento que o Filho do Homem vos dará, pois Deus, o Pai, o marcou com seu selo.

A nota da Biblia de Jerusalém salienta que é neste capítulo em que duas tradiçoes joaninas aparecem. “Segundo uma delas, é o Pai que dá o pão verdadeiro, isto é, Jesus-sabedoria ou Palavra de Deus;” Estêvão na leitura precedente ao Evangelho aparece numa espécie de teofania, na qual ele, cheio da glória de Deus ensina e discute a Vida de Jesus, o Nazareno, que veio como Homem, e é o Ungido que os judeus esperavam, e age segundo a Sabedoria Divina, inspirado pelo Espírito de Deus.

Estêvão partilha a Palavra Viva, que é o próprio Cristo, nas sinagogas, isso divide os judeus entre atemorizados (como ficaram quando Moisés recebe a Lei no Sinai) e maravilhados e propensos à conversão.

O Batismo sela a vida do cristão, e o impele ao serviço, o leva a partilhar a Palavra-Viva, o próprio Jesus, através deste sacramento o cristão se torna apto à missão primaz de todo seguidor de Jesus: Ir e pregar o Evangelho.

Deus marca Estêvão e este fala com sabedoria e pelo Espírito, e através do alimento Palavra, do alimento Jesus, nós também nos tornamos aptos a partilhar a Vida de Deus, a intimidade com Jesus-Palavra-Sabedoria-Pão nos capacita a caminhar em novidade de vida e, de tal forma diferentes dos outros, que, assim como Estêvão, podemos ser “irresistíveis”, e que nossas palavras nestes dias sejam vida, nossas ações diferenciais, nosso testemunho transformador e por onde formos vidas se voltem ao verdadeiro Evangelho do Reino de Deus, segundo o qual Jesus chamado Cristo se dá por nós e ressurge verdadeiramente vivo e voltará.

Que minha vida seja como a de Estêvão: cheia de Deus e por onde eu passe, o Espírito de Deus tenha liberdade de agir através de mim, e que eu diminua de tal forma que seja Todo Ele em mim.

Totus tuus, ego sum, et omnia mea tua sunt.

v. 28 – Disseram-lhe então: Que faremos para trabalhar nas obras de Deus?

Quantas vezes não me perguntei isso? Ou não perguntei em oração? Perdi até as contas, mas, assim como estes judeus, não sabia muito bem como perguntava, afinal, Jesus responde no verso 29 que A obra de Deus é que cressemos naquele que Ele enviou, ou seja, o próprio Jesus. E então tudo se encaixa, porque a vocação de Deus a todos é que para Sua Glória e para Intimidade com Ele, para sermos família Sua, hoje, através de todos os meios de comunicação que temos disponíveis, podemos trabalhar nas obras de Deus, espalhando a Boa Nova, afinal: A OBRA DE DEUS É QUE CREIAIS NAQUELE QUE ELE ENVIOU.

Senhor, que eu possa experimentar todos os dias crer mais e mais naquele que Tu nos enviaste, Jesus, o mais amoroso de todos os homens desta Terra; Jesus, a razão de toda Vida; Jesus, o príncipe da Paz; Jesus, Torre Forte e Abrigo Seguro; Jesus, Pão Vivo que desce do Céu; Jesus, a Palavra Viva que alimenta eternamente; Jesus, a Raiz de Davi; Jesus, o Cristo!

Para maior Glória de Deus.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Surto Real

_ Vejo nele seu sorriso e posso ouvir teu coração.

A frase de sua dinda ficava alimentando o amor que sentia e a saudade que a apertava. Seu consolo único era ver as fotos do mar pela tela do computador. Há muito tempo queria sentir o cheiro de sua madrinha e de sua irmã. Há exatos sete anos. Havia tanto tempo que queria vê-las, exatos sete anos desde que saíra de casa pra sonhar e agora era tempo de voltar.

Era tempo de voltar e colocar seus pés em solo baiano. Morando no Paraná por sete anos seus hábitos tinham até mudado. Falava cantado como os paranaenses, aprendeu a tomar chimarrão, conhecia toda a cultura, sabia o que era um “redondo” e arrasta o r pra falar “calor, porta, corredor”. Esqueceu-se como era sua Salvador, esqueceu-se como era sambar e não sabia mais como era o cheiro do mar.

Aliás estava aí uma pergunta que não queria calar no coração daquela pobre estudante universitária: _ Que cheiro tinha mesmo o mar? Como era a escadaria do Senhor do Bonfim? Será que o acarajé andava muito quente? – Pôs-se a rir alto e sozinha pensando no dia em que sua irmã chegou esfomeada à baiana e disse:

_ Me dê um acarajé moça.

_ Completo?

_ Com tudo que tiver direito!

A fome era tanta que ela esqueceu que “tudo o que tiver direito” incluia a pimenta. Mordeu com gosto. Fez aquela cara de “ai tá quente!”, olhou pra sua irmã e só conseguiu sussurrar desesperada:

_ Água pelo amor de Deus!!!!

Comeu o acarajé com muita água, depois disso, por mais faminta que estivesse nunca mais disse “com tudo o que tiver direito”. Essa irmã era magrela, o cabelo andava curto, os olhos eram cor de mel, quer dizer, se o dia estivesse limpo até que dava pra enganar um verde, dava pra dizer que o dia mentia a cor de seus olhos. Era linda, o nariz arrebitado, como narizinho do Sítio do Pica-Pau Amarelo, tocava violão na missa, a voz era aguda e às vezes soava meio desafinada. Mas tinha um coração de ouro. Amável, apaixonante, sua irmã era uma menina linda.

Tinha mais dois irmãos além de Maria. Anita, um ano mais nova que Maria e Pedro com cinco anos. Anita tinha olhos verdes, cabelo bem cacheado, gingava como uma baiana de verdade e dançava pra valer. A dança e a poesia do povo, a música e a artes dramáticas eram seu forte. Lembrou-se de quando Anita, por preguiça e drama fingiu-se de morta pra não lavar as vasilhas do almoço. A cena foi hilária, chegou no quarto de Anita e a viu estirada sobre a cama com os pulsos em vermelho vivo. Desesperou-se:

_ Ani, Ani, por favor...

Aí sentiu um cheiro forte de acetona, olhou pro “corte” e percebeu que era teatro da irmã mais nova, decidiu colocar lenha na fogueira, foi até à geladeira, pegou duas pedras de gelo e voltou para o quarto. Lá chegando deixou cair as pedras nas costas de Anita. A menina pulou desesperada e ela riu com gosto.

_ Paula! Você não vale nada! Gelo é muita trairagem.

_ Ani precisava ver sua cara!!!

_ Minha cara? Você vai ver, vem já aqui pra ver com quantas bandejas de gelo te faço um boneco de neve.

As férias eram um sonho. Maria morava com a madrinha de Paula, Ir. Gisele, na cidade de Salvador. Sim, Maria era vocacionada de uma congregação religiosa, seu sonho era ser irmã. Entraria em Recife no ano seguinte para iniciar como Aspirante. Paula terminaria a faculdade e enveredava pelo mesmo caminho. Dos quatro irmãos, aparentemente Anita não desejava a vida religiosa e Pedro tinha vocação pra sacerdote, mas ninguém sabia. Afinal, aos cinco anos a vocação é algo singelo demais.

Diferentemente de Maria, Paula entraria no Rio Grande do Sul. Sim, iria ficar longe, prometeu pra Maria que se reencontrariam em São Paulo. E voltariam a morar juntas, fariam os votos juntas. Sonhavam juntas. Paula ensinaria Maria a tomar Chimarrão e a torcer pro Internacional. E Maria ensinaria Paula a sambar e mostraria o mar.

Planos...

Paula estava no último ano, finalmente! Nem acreditava que tudo estava chegando ao final. Então abriu a caixinha do correio e lá estava, uma carta de Anita.

Olá minha irmã!

Tenho sentido muitas saudades, não aguentava mais ficar longe de você. Como você está? O pequeno Peter cresce, mas vive chamando por você e por Maria. Mamãe está mais consolada, entendeu que vocês estão felizes e que é como se estivessem se casando. Mas sente saudades, sempre fala de vocês e chora pelos cantos. Papai me pede sempre pra jogar baralho com ele, como você fazia. Ele é mais reservado, você sabe, mas também sente tanto sua ausência... Quando será que vou te ver de novo? Você virá pra casa em dezembro não é mesmo? E vai ver Maria em Salvador? Você também sente falta da gente? Ah, consegui uma bolsa pra entrar no Ballet São Paulo, é o passo pra ir pro Ballet russo, vou sonhar com isso enquanto não estiver pagando impostos pelos tamanhos dos sonhos. Escrevi umas histórias e ganhei uns prêmios, mas é coisa boba da escola.

Sobre o que você tem escrito na faculdade? Continua sonhando com aquilo de missões? Desculpa mana, mas você é meio doida mesmo né, acho que tá no caminho certo. Na nossa família não tem ninguém no “padrão”.. gosto disso. Quem sabe um dia você e Maria não se encontram de novo e moram perto uma da outra. Vocês poderiam tentar tirar férias ao mesmo tempo e a gente faria a maior festança. Como estão as outras Irmãs? To com saudade da sua dinda, ela é muito legal. E aquela uma que falava engraçado? Tem visto? Continua jogando ludo com a Irmã comunista? Porquê mesmo que vocês chamavam ela assim? Coitadinha gente, ela era tão velhinha e vocês chingando a coitada de comunista...

O padre daqui falou que é pra vocês prepararem algo pra missa quando vierem em férias. Eu to indo numa igreja evangélica, to cantando por lá. É legal, o povo gosta de mim. Este negócio de colegial está me cansando, não consigo falar de filosofia e sociologia com as pessoas, ninguém gosta de discutir política, você me faz uma falta danada. Me ensinou a gostar destas coisas, agora estou perdida. Outro dia Peter acordou chamando seu nome, foi de cortar o coração, mas eu falo como se você não fosse voltar pra cá. Ai mana to com saudades. Olho pro céu e lembro tanto de você. Um abraço bem apertado em você. Te amo do fundo do coração, vem logo pra casa.

Beijos, Anita Guimarães do Rosário

São Paulo, 20 de Agosto de 2000.

Santa crise!! O coração apertou, queria correr para abraçá-la. Queria tê-la por perto. Ia desistir de tudo, de vocação, de chamado, de ser freira. Queria só um abraço de sua irmã mais nova. Então ligou pra sua vocacionista (a irmã que a acompanhava) e disse:

_ Irmã, irmã! Não quero mais saber desse negócio de ser freira.

_ Mas, o que aconteceu? Calma Paula, respira, tá tudo bem?

_ Minha mãe-irmã! To com saudades de casa, quero ver minha família.

_ Ô menina, vem aqui pra casa, vamos bater um papo, quero te ouvir, tudo bem?

_ To indo Irmã... quero chorar...

Paula entrou no ônibus que a levaria ao convento, quarenta minutos depois chegava no convento, ia ouvindo Coldplay e segurando o choro, o coração tava apertado e ela estava com a carta de sua irmãzinha no colo, já era a décima quinta vez em que lia “outro dia Peter acordou chamando seu nome...” Peter... Pedro, Anita chamava Pedro de Peter e o menino olhava com aquela carinha brilhante e ria.

_ Padinha... quelo Padinha...

Assim que ele chamava Paula. E aquela vozinha ecoava dentro da cabeça de Paula. Chegou no convento.

_ Irmã...

E pulou no pescoço da irmã, quebrando os protocolos, estava diante de sua mãe e irmã... Ir Clara a abraçou forte e disse: _ Calma Paulinha, calma, vamos pra dentro... espero que tenha vindo com pijama...

Sentaram na capela, Ir Clara fechou a porta e olhou com aqueles negros e profundos olhos para Paula.

_ Que aconteceu minha menina?

Paula entregou a carta. _ Estou com saudades Irmã... tantas saudades...

_ Eu te entendo. Eu sei como isso é duro. Logo você vai ver seus pais.

_ Não quero mais ir pro Rio Grande.

_ Mas, o que isso tem a ver com a saudade?

_ Ah, dói tanto, estou há tanto tempo longe...

_ Paula, vou te fazer uma pergunta bem séria.

_ Diga..

_ Tua vocação sumiu?

_ Hã?

_ É...aquele apelo no seu coração, de querer ser só de Jesus, de estar apaixonada... isso sumiu?

_ Acho que não... – Paula então levantou seus olhos pro Sacrário e eles se encheram de lágrimas, as tais saltaram de seus olhos. Como ela chorava.

_ Vou te deixar só, pensa um pouco, quando você conseguir escutar seu coração eu volto tá. Vou entender você qualquer que seja sua decisão, quero te ver feliz.

_ Irmã...

_ Sim Paulinha?

_ Só um coisa...

_ Sim?

_ Quero um abraço teu.. depois eu te chamo..

_ Ôh meu Deus – E ela abriu aquele sorriso honesto e acolhedor. Paula então se levantou e se lançou nos braços de sua irmã, tão perto dela, tão mãe. Tão famíla. Era isso!

_ Jesus continua me chamando, vou pra casa, mas vou voltar.

_ Ei menina, fica aí rezando. Tá muito precipitado isso...

_ Irmã, tá.. tudo bem...

E Paula rezou, rezou, rezou por quatro longos meses. Pegou seu certificado e voltou pra casa. Mas, ela sabia que havia um selo em seu coração. Ela tinha uma promessa e uma decisão. Ela tinha o selo da vocação.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Pra iluminar

“De que vale ser luz, se não for para iluminar o caminho dos demais?” (Walt Disney)

Hoje quis refletir um pouco sobre o fator ‘ser luz’ e comecei a pensar: Qual é a função de uma vela? Não é iluminar?

Apesar da cera sofrer com o fogo e se consumir por causa do fogo, enquanto MEIO pelo qual o fogo possa iluminar, a vela cumpre sua missão. E àqueles que fazem uso de sua luz, não errarão o caminho.

Assim, nós, cristãos, chamados a ser luz do mundo carregamos este tão grande tesouro em vasos de barro, ou melhor rs, carregamos esta tão preciosa chama em corpos de cera.

Essa reflexão pode ir muito além, porque é possível falar da ciência da cruz através da chama. Da renúncia, da dor, do sufoco, dos pequenos e grandes martírios, das ofertsa, os sacrifícios… como? Veja como se consome a cera. Observe que diante do calor, a cera derrete vagarosamente, ela se entrega, se rende aos poucos, se deixa consumir, aceita serena a missão de iluminar pagando o preço de ser um sacrifício perfeito, e sem a percepção do alcance de sua missão, do quanto ela ilumina, até o completo sacrifício. Atingindo o ápice de sua entrega, a chama consome a cera e se exaure.

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?

Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro” (Rm 8,35-36)

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;

Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.´” (1 Co 13)

sábado, 17 de setembro de 2011

Sementinha.

Moçada, vamos lá, comigo, mãozinha pra cima, muita alegria, vamos cantar e dizer: Bom dia! Bom dia! Bom dia!

Bem, peguei a Bíblia hoje cedinho e fui ler o que dizia o Evangelho de hoje. Que está em Lc. 8,4-15 e que trata-se da parábola do semeador e sua devida explicação. (Sugiro que você gaste um tempinho procurando e lendo, vale a pena… inclusive compare traduções diferentes, vai enriquecer sua experiência).

Comecei a pensar sobre a “semente do Reino dos Céus”. O que seria essa semente?

A maior parte dos pregadores usa essa parábola pra falar de evangelismo, missões, já cheguei a ouvir até que se tratava de uma lei pra dízimos (!!! sim, também considero um absurdo, ainda mais num país como o nosso em que a divisão de renda é precária – pra não dizer inexistente – e o ensino público fundamental e médio é uma vergonha), isto, porque falam que a parábola fala sobre a semente frutifica à “cem por um”.

Enfim, comecei a refletir sobre esta semente no nosso coração… uma “nova” interpretação eu pude vislumbrar (o termo “nova” está entre aspas pois que, certamente alguém já teve a mesma interpretação que eu há muitíssimo mais tempo – risos). Enfim..

Se o Reino dos Céus é como uma semente, logo vai se tornar uma plantinha, ou uma árvore, concorda comigo? Pois bem, é a lógica das sementes – se você plantar uma semente, colocar o adubo certo (oração, bíblia, comunhão), cuidar como um bom agricultor (vigiar, se arrepender do pecado, confessar), logo sua semente rompe a terra e começa a crescer. Entretanto, e, isso é muito importante: com o TEMPO e à medida em que DEIXAMOS DEUS TRABALHAR em nosso coração, arar a terra, a sementinha conseguirá romper a terra.

Como esta semente é especial, é uma semente de fruto diferenciado, valorativo, o que será que nascerá? Penso que seu fruto é o que está em Gl. 5,22 em diante. Ou seja, vira um raminho do “fruto do Espírito”, que se desmembra em raminhos de amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão,  autodomínio.

Mas, essa plantinha só vai se tornar uma planta forte e madura, se, e somente se, obedecer aos requisitos do versículo (olha a frase de uma típica formanda em Direito kkkkkk legalista kkkkk), quer dizer, se você deixar-se moldar para ter uma terra boa pra sua semente, ou seja, “o que está em terra boa são os que com CORAÇÃO NOBRE E GENEROSO, CONSERVAM-NA (a semente) e produzem fruto PELA PERSEVERANÇA…”

Então, abre o corezinho aí... deixa Jesus arar a terra, limpar td, tirar os pulgões, os carrapatos, jogar água, por um adubinho básico que a árvore quer crescer!!!!!

Bom final de semana,

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Viver é…

Sabe do que eu gostaria hoje? De poder deitar na rede e contemplar o céu por um longo tempo. Foram muitos desafios para um único periodo de 18horas, rs. Mas, quer saber? Tirando a média de prós e contras, é muito bom poder rir de tudo. Até do que técnicamente não poderíamos.

No meio do dia você olhar pra pessoa que trabalha com você e soltar num tom extremamente desafinado: _ Amanhã de manhã, vou fazer um café pra nós dois…

É riso certo e ambiente descontraído, claro que só cantar não basta, pega o extrator de grampos pra fazer de microfone e improvisa a dança que é tiro e queda! Tipo assim:

E, claro, na vida nem sempre é possível cantar. Então, quando você se deparar com o que não conhece, ou, quando encontrar a dor insuportável da perda, da desesperança e da saudade a melhor coisa a fazer é

Meu amigo, por favor entenda, eu sei o que é a dor. Posso não conseguir mensurar a sua, mas também enfrentei os desafios que me couberam… lógico que quando eu realmente vejo a miséria da alma do homem eu não sei o que fazer e só posso ouvir e irei ouvir. Irei dar o meu melhor, quero ser toda coração e colo, serei tudo o que puder. Vem, sou um ombro, braços e mãos, sou olhos atentos, ouvidos atenciosos, colo aconchegante, abraço acolhedor… sou tua irmã! Diante do Deus que enfrentou todo tipo de dor humana que nós sequer sonhamos enfrentar, eu me postarei ao seu lado e direi: _ Senhor, to com essa criaturinha aqui e precisamos falar contigo… senta ao nosso lado que o papo vai ser longo. Quero ouvir tuas ideias e saber o que o Senhor pensa disso tudo…

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A Sinfonia dos Dois Mundos–Hélder Câmara

ig_ das frontieras - 3

Termino hoje a terceira parte do livro "Dom Helder: entre o poder e a profecia", do querido Prof. Walter Praxedes, DCS-UEM, e com a seguinte sensação: este homem Hélder. Bispinho de Olinda e Recife, absurdamente humano, apaixonado pelo povo. Intrínsecamente amoroso, devotado à Igreja, fiel a Deus e ao Evangelho. Uma interrogação e uma marca ao nosso egoísmo. Um desafio concreto à juventude apática e uma resposta coerente aos que ainda tentam calar a voz do povo.

Hoje não calam a voz do povo com a Ditadura Militar, calam a voz do povo com a injustiça escancarada, com a ausência de oportunidades e com o descaso com a Educação. Não se tem mais direito à educação, as crianças vão para as escolas, mas seus professores não sabem mais utilizar a língua, não sabem ensinar, não tem mais conhecimento do que aqueles que saem do Ensino Médio. A Educação é uma vergonha e nada fazemos para mudar a situação.

Hélder Câmara, uma lembrança de que é NECESSÁRIO e POSSÍVEL fazer algo que preste pra reverter a situação. Deixo aqui um trecho de "La Symphonie des deux mondes", de Pierre Kaelin ao bispinho.

Não, estou longe de ser socialista, comunista, qualquer coisa do gênero. Sou apenas uma estudante brasileira que ainda pensa um pouco sobre Justiça... e sobre o meu irmão, que não tem sequer o que comer e não consegue entender essa religião do pão que não lhe oferece pão...

Aos que trabalham de fato e aos que teorizam estes fatos, em favor dos oprimidos, façamos! Agradeço de coração ao Movimento do qual faço parte, o CRISTMA (Cristo Te Ama), porque foi alí que me deparei com as forças mutantes que de fato conseguem tirar do poço o oprimido e abatido, aquele que já não tem mais nem razão de existir, o verdadeiro excluído...

Aquele que depende de alcool, das drogas, das emoções que inebriam, para sobreviver.

Meu mais sincero obrigada.

Cristma

II CANTO - HOMEM MEU IRMÃO

“Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira de contempla.

O Oceano das florestas

e o incêndio das flores,

as lanternas lá do céu

e o espelho das águas,

e as vozes fervilhantes

de todos os animais

divididos entre a confiança e o medo.

É a criação em tudo,

ao teu redor,

um pouco de inveja e de curiosidade

leva a seguir os passos

do eleito do Criador.

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla.

E ousado tu vais tão longe

na linha da inteligência

esta é a linha da tua chance?

E ousado tu vais tão longe,

emprestando tua inteligência

a serviço do computador.

No imenso mundo das estrelas

tu te tornas viajante

em naves espaciais...

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla

e te inveja.

E ousado tu vais tão longe

na linha do egoísmo.

Tão longe que te mostras indigno

da preferência maravilhosa

e quase escandalosa

que o Senhor te manifestou

o rumor das questões

parte de todo lado.

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla

e te interroga!"

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Sobre o valor de um céu…

Boa noite,

Pensei um pouco sobre o valor de uma amizade. Pensei um pouco sobre a essência disso. Por que as pessoas se chamam de “amigos”?

Não adianta, eu não achei nada além de pequeno príncipe pra me ensinar a respeito. Ele ganha em disparada de todos os outros. Só sei que quem tem um amigo, tem um tesouro muito grande. E feliz quem descobre nos pais, irmãos, e futuros irmãos (congregação!!) grandes amigos. Me sinto feliz em poder ter isso… sou muito, mas muito feliz.

Se sentimento falasse, hoje ele diria muitas coisas. Pena que os meus não sabem falar. Não consegui educá-los ainda.

Tudo que eu sei dizer é: Abraços… um dia o meu te alcança!

Dá-me Um Abraço

Miguel Gameiro
Dá-me um abraço que seja forte
E me conforte a cada canto
Não digas nada que o nada é tanto
E eu não me importo
.. ..
Dá-me um abraço fica por perto
Neste aperto tão pouco espaço
Não quero mais nada, só o silêncio
Do teu abraço
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
Dá-me um abraço que me desperte
E me aperte sem me apertar
Que eu já estou perto abre os teus braços
Quando eu chegar
.. ..
É nesse abraço que eu descanso
Esse espaço que me sossega
E quando possas dá-me outro abraço
Só um não chega
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço

Música portuguesa, lindinha… falou e disse!

P.S. Agradecimento especial ao som de Miguel Gameiro que falou o que eu queria falar e ao Snoopy, ele e eu temos algo em comum: Abraçamos sem pedir licença… e é desse jeito o meu abraço kkkkkk #falei

domingo, 11 de setembro de 2011

Encontro de verdade

Já parou pra pensar no valor de um abraço?

Se estou escrevendo sobre o valor dele, é porque, de fato o que eu queria mesmo era poder abraçar. Mas estou tão longe. Só consigo abraçar o sentimento, o sonho, olhar com o coração cheio de expectativa e de desejo de encontros e reencontros.

A expressividade que tem o abraço diz muito mais do que eu conseguirei dizer aqui. Gente, vamos combinar, não tem preço aquele abraço fofinho, cheio de amor e que te envolve com ternura, tem?

Não tem preço aquele abraço que mata saudades de tempos e tempos. Aquele abraço esperado que tem cheiro de amor. Tem cheirinho de vida.

Não tem preço a vontade de estar perto, de bagunçar o cabelo, de ouvir a voz, ouvir os passos, até de brigar, porque faz falta… O preço do abraço só pode ser mensurado pelo preço do amor. Quanto maior amor, maior a intensidade do abraço.

Alguns abraços meu coração ainda pode sentir. Alguns eu ainda sinto o cheiro. Outros preciso olhar pro Céu pra poder sentir. Outro vislumbro num pequeno vaso de flores. Outro vejo na capa de um livro, num par de sapatos. Mas, nada como poder abraçar de verdade… aquela pessoinha toda especial. A construção de um relacionamento não precisa ser dita,  só é dita com palavras quando a distância ainda é grande.

Esta noite sonharei com o Céu estrelado, e as nuvens abrirão um largo sorriso e eu ouvirei seu coração. Porque o som de grande paz me invadiu e te abraçarei com desejo de reencontro. Dançarei como nunca antes. Sim, irei sorrir porque as nuvens já lavaram minha alma. Irei te ver outra vez. Titlintando seus passos dentro de mim… para sempre, todos os dias irei te encontrar em mim.

Boa semana,