terça-feira, 28 de junho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Entre Deuses, Túmulos e Sábios… demais…

 

Quando me questionaram a respeito da “música do mundo”, foi na melhor das “boas intenções”, e a pergunta veio viciada, mas, caíram do cavalo. Esperavam uma resposta “Mas, claro que é!”.

E eu respondi: Claro que não. Eu to no mundo, logo ouço música do mundo. Fundamentar uma doutrina inteira num único versículo é cometer um erro basilar de interpretação. O que é música do mundo?

Existem biblistas queimando todos os seus neurônios pra explicar o termo “mundo” em João e vem um marmiteiro qualquer falando que não ouve música do “mundo”.

Como diria uma querida quando peguntei se “ouvir música do mundo, ou música secular, era pecado", a resposta veio num tipo: “Não. E não vou nem queimar fosfato nisso, é até falta de senso argumentar esse tipo de coisa pra proibir uma ação”.

Eu tentei entender o motivo por trás da pergunta <<Ouvir música do mundo é pecado?>>, de modo honesto, coerente, e toda vez caíamos na questão da liberdade do homem.

A questão que uma outra amiga propôs aos seus alunos foi “Vocês acham que desfruto da presença de Deus quando estou em comunhão com meus amigos?”. A resposta geral foi “não”.

Aqui temos mais do que as duas questões que colocarei, quais sejam: 1 – Fundamentalistas geram fundamentalistas. “Deus está só na igreja” 2 – Perguntas viciadas geram respostas viciadas. “Adão e Eva tem umbigo?!”

Tem também a questão da antropologia missionária usada com erros basilares que gera esse tipo de comportamento pseudo-dogmático.

Me traga na biblia, antropológicamente, moralmente, teológicamente, filosóficamente, um fundamento de que ouvir música “do mundo” seja pecado. E então também procurarei com coerencia analisar seus fundamentos. Não detenho a verdade total, você também não, vamos caminhar juntos pra saber quem está certo.

PARA SABER MAIS: Pavablog e Fator Melquisedeque

O querido Mons. Orivaldo bem disse “Vá estudar!!! Fica aí falando besteira”.

Boa semana pra vcs!

Pds.

Caminhando...

Viver é isso!

(para ver o vídeo com Maria Gadu clique no link do título da música)
Quase Sem Querer

Composição: Renato Russo

Tenho andado distraído
Impaciente e indeciso
Ainda estou confuso só que agora é diferente
Tô tão tranquilo e tão contente

Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria era provar pra todo mundo
Que eu não precisava provar nada pra ninguém

Me fiz em mil pedaços pra você juntar
E queria sempre achar explicação pra o que eu sentia
Como um anjo caído fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira

Mas, não sou mais tão criança
A ponto de saber tudo
Já não me preocupo se eu não sei por que
Ás vezes o que eu vejo quase ninguém vê
Eu sei que você sabe quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você

Tão correto e tão bonito
O infinito é realmente um dos Deuses mais lindos (segundo a ná é um dos atributos mais lindos de Deus!!!!!)
Sei que ás vezes uso palavras repetidas
Mas, quais são as palavras que nunca são ditas?

Me disseram que você
Estava chorando
E foi então que eu percebi
Como te quero tanto
Já não me preocupo se eu não sei por que
Ás vezes o que eu vejo quase ninguém vê
Eu sei que você sabe quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Conquistada, para conquistar

“Seu amor conquistou meu ser.”

Amor, quanto já não foi dito a respeito dele?

Farta de palavras que não explicam sentimentos, convido você a caminhar comigo na estrada da existência. Vender sonhos, doar Vida, partilhar a beleza de Ser, construir pontes, edificar castelos, conquistar e ser conquistada.

Ontem encontrei um post de 2005 numa destas tentativas de comunicar vida. E percebi sinais de vocação em mim, eu era surda e não sabia. (risos)

“…tentei calar a voz a voz que chama…Nessa frase falo tudo o que porventura meu coração pode dizer; Minha vida e meu pensar se resumem na possibilidade de viver para Deus…”

Esta frase foi escrita dia 09 de dezembro de 2005. Eu tinha acabado de completar 18 anos. Se eu soubesse que há muito o Senhor vinha me chamando, me vocacionando, mas, tudo tem a hora certa, e, no tempo favorável do Senhor Ele me disse “VEM!”

E eu caminho, continuo, prossigo, e convido, VEM!

Me aproximo, converso, partilho, choro, canto, rezo, abraço, sirvo e te digo VEM!

O olhar de Deus na alma me enamora, de mansinho se achega, vai ganhando o meu ser, por inteira me seduz, e eu me deixo seduzir, sem saber o que falar, nem palavras pra expressar só sei dizer SIM!

Se você se sente incomodada, se assim também está, se não sabe o que falar, te convido a ir comigo: VEM!

É possível caminhar e ser diferente, sendo apenas você mesmo, e assim como está, Ele te chama: Vem!

mao

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Oração da Manhã









Senhor, nós te agradecemos por este dia.
Abrimos nossas portas e janelas para que tu possas
Entrar com tua luz.
Queremos que tu Senhor, definas os contornos de
Nossos caminhos,
As cores de nossas palavras e gestos,
A dimensão de nossos projetos,
O calor de nossos relacionamentos e o
Rumo de nossa vida.
Podes entrar, Senhor em nossas famílias.
Precisamos do ar puro de tua verdade.
Precisamos de tua mão libertadora para abrir
Compartimentos fechados.
Precisamos de tua beleza para amenizar
Nossa dureza.
Precisamos de tua paz para nossos conflitos.
Precisamos de teu contato para curar feridas.
Precisamos, sobretudo, Senhor, de tua presença
Para aprendermos a partilhar e abençoar!






(FONTE: Blog Leitura Orante, por Ir Patrícia Silva, fsp)

terça-feira, 21 de junho de 2011

Oração da Paz.







Hoje, peço pelas pessoas que não conseguem aceitar a fé diferente.
Pelo diálogo ecumênico, pela unidade da Igreja de Cristo.
Por todos os que não compreendem que viver JESUS vai além de religião.
Por todos os que amam e sofrem
Por todos os que são perseguidos em razão de sua fé
Por todos os que sentem dificuldades em aceitar a perseguição
Por todos os que estão tristes
Por todos os desunidos
Pelas pessoas enfermas
Pelas famílias, para que vivam o amor
Pelas vocações, para que sejam instrumentos do amor


Senhor,
Fazei-me um instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre,
Fazei que eu procure mais consolar, que ser consolado;
Compreender, que ser compreendido;
Amar, que ser amado,
Pois é dando que recebe,
É perdoando que se é perdoado,
E é morrendo que se vive para a vida eterna.

terça-feira, 7 de junho de 2011

LETRAS, TONS E SONS:: Cristianismo sem religião

RELENDO UM POST ANTIGO!!!
vale a pena!

LETRAS, TONS E SONS:: Cristianismo sem religião: "Mais um mês se passou. O tempo passa tão rápido para você quanto passa para mim aqui? Fico muitas vezes surpreso diante disso – e quando va..."

domingo, 5 de junho de 2011

Difícil questão.

Partilho hoje um texto de J.B.Libânio, sj, publicado na Revista Vida Pastoral, da Editora Paulus, julho-agosto de 2011 – ano 52 – n.279 nas páginas 3-4.

biblia sagrada

Pe. J.B.Libânio, sj é doutor em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma. Há mais de três décadas vem se dedicando ao magistério e à pesquisa teológica. Autor de vasta obra publicada no Brasil e no exterior. É vigário da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Vespasiano, na Grande Belo Horizonte. (nota de rodapé da revista)

SÓ SE SALVA E GANHA A VIDA ETERNA QUEM ACEITA JESUS? NESSE CASO, SÓ OS CRISTÃOS SERÃO SALVOS?

Quando a pergunta vem viciada, a resposta já fica comprometida. A vida eterna nnão é uma realidade independente, que existe como uma coisa que se ganha ou se perde depois da morte em troca de ações realizadas. Assim como um prêmio da loteria esportiva, que se obtém com a cartela preenchida corretamente.

A vida eterna já se inicia aqui na terra e se constitui fundamentalmente pelas relações que criamos. O teólogo J.Ratzinger, hoje Bento XVI, escreveu: “todo amor que eternidade – o amor de Deus não só a deseja, como a realiza e é” (RATZINGER, J. Introdução ao cristianismo: preleções sobre o símbolo apostólico. São Paulo: Herder, 1970, p.302). E, na encíclica Deus Caritas Est, retoma ideia semelhante: “O primeiro é que entre o amor e o Divin existe qualquer relação: o amor promete infinito, eternidade – uma realidade maior e totalmente diferente do dia a dia da nossa existência”; “O amor visa à eternidade”. Traduzindo em linguagem simples, a eternidade não se ganha nem se perde, mas é o amor que vivemos aqui e ultrapassa o tempo e espaço para dentro da infinitude de Deus. Então toda pessoa que ama não ganha o céu, é já a eternidade feliz iniciada.

E Jesus Cristo? Ele manifestou tal realidade em grau máximo e nos possibilitou vivê-la, mas não necessariamente em relação explícita a ele. Desconhecendo a Jesus, mas amando, alguém participa da fé nele. E por isso já vive incoativamente a eternidade na medida do amor.

A fé que salva é aquela que está informada de amor. Aceitar Jesus significa sair de si, cuidar do outro, realizar o que ele nos ensinou no Evangelho, mesmo sem saber que se trata dele. Que Jesus dirá aos que entrarão na sua glória eterna? Que ele teve fome, sede, foi peregrino, esteve nu, enfermo e preso e foi socorrido. Quando? Todo pequeno serviço que se fez a um dos irmãos menores foi a ele que se fez (Mt 25,31-40). Aí está a melhor definição de fé em Jesus Cristo. O serviço da caridade.

Nessa perspectiva, a pergunta soa bem diferente. O correto seria perguntar: alguém que foi radicalmente egoísta, que não amou seu irmão, poderá salvar-se, quer seja cristão de batismo, quer não? A resposta soa: não. Não porque Deus o condene, mas porque ele se constituiu um ser sem amor. E ser-sem-amor é idêntico a inferno. Vale o contrário. Quem saiu de si, amou os irmãos, foi fundamentalmente próximo aos demais, se salva, quer seja cristão, quer não? Sim. Mais: ele já é céu aqui na terra e, depois da morte, revelar-se-á plenamente a verdade de tal vida.

Cristão que não ama não estabelece nenhuma relação de amor e de eternidade com Deus. Portanto, não pode conviver com um Deus que é amor, porque não quer amar. Um não cristão que ama está em íntima relação com Deus que é amor e, por conseguinte, já começou a ser céu e o será eternamente. Mais correto é dizer que somos céu e não que vamos ao céu. E só se é céu pelo amor. E o contrário. Não perdemos a vida eterna, não vamos para o inferno, como se fosse um lugar, mas nos tornamos inferno, porque não amamos.

E santo Agostinho nos recorda que “somos o que amamos”. Se amamos somente a nós mesmos, somos solidão individual. Se amamos os irmãos, somos comunidade de amor. E a vida eterna não é nada mais que comunidade de amor entre nós na força do amor de Deus que nos sustenta no ser para sempre.

J.B.Libânio,sj

pecado_blog

Achei profundo demais, quebra a nossa perspectiva hipócrita e cheia de egoísmo de que somos mais santos ou mais qualquer coisa que valha em detrimento de nosso irmão. Repense a sua vida hoje. E se você acha que é maior, melhor, mais santo, mais digno, que só você vai pro céu, que só você é senhor da Verdade, repense mais uma vez. Acho que suas intenções permanecem egoísticamente religiosas, ou, em outras palavras, você é uma sepultura pintada de branco (minha avó diria “por fora bela viola, por dentro pão bolorento”). E aí? Consegue responder se você é Céu ou não?

Você tem sempre uma decisão. A de hoje demanda renúncia. E é a questão primaz do Evangelho. A quem você quer seguir? Seu próprio ego ou a Jesus? Deseja alteridade ou narcisismo?

Palavras duras, reconheço, mas chegaram primeiro quebrando as minhas próprias concepções mesquinhas.

Naquele que nos ensina, sem distinções de nenhuma forma,

Amanda P.