sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Sobre contemplação, amor e conversão

“A oração é mais ouvir do que falar e a contemplação é mais ser olhado que olhar” Não vou lembrar de quem é a frase, entretanto calou no mais profundo do meu ser.

Claro que, pra mim, pessoa que viaja sem muita força kkk, é engraçado olhar pros frisos do piso e de repente começar a chorar de alegria, de esperança e fé, porque, assim como eu limpava a sujeira naquele cantinho tão minúsculo, sabia que Deus faria assim em minha alma se eu deixasse… (viu o nível das viagens? pois é, se disser que eu sou doida, se prepare pra correr kkkk)

Bom, não sei bem como te falar, mas, ainda assim eu sei que vai entender, quando Deus toca lá no mais profundo do nosso Ser, nós admitimos o pior de nós, os mais feios e “peludos” pecados, e de repente, aquele mar de amor inunda tudo e vem arrasando em todos os lugares, quando menos se espera tudo o que sobra é amor… um amor intenso, que te deixa atordoado, isso é o que eu chamo de conversão…

Quero me converter todos os dias!

Fica o convite, simbora admitir os erros e ser gente de verdade? A vida vale a pena ser vivida, e o Caminho, a Verdade e a Vida só no Mestre dos Mestres!

Abraço de panda,

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

desabafo versão mini

Hoje eu bem que gostaria de partilhar alguma coisa, mas, todo mundo que escreve tem dessas, as letras simplesmente entram em greve (como o pessoal dos bancos e nossos amigos dos correios) e ficam assim, e nada do texto se formar decentemente na sua cabecinha.

Fica o desabafo. Peçam a Deus pra semana de provas passar logo e eu conseguir escrever feito gente outra vez.

Forte abraço,

Panda

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

São três da tarde!!!

As três da tarde passaram a ter um significado muito lindo.

Passaram a ser sinônimo de misericórdia, de saudade, de amor eterno… de um amor que te envolve, te acalma, te sacode, te enamora, te apaixona. Sinonimo de família, de risadas, de abraços apertados, de temor a Deus, de partilha, de união.

Sou feito de barro
Do pó dessa terra
O sopro de vida
É o vento que sopraste em mim

Tu sabes quem eu sou.

Fui homem perfeito
Completo, inteiro
Da escolha que fiz
A queda que vi
Me separou de Ti

Tu sabes quem eu sou.

Clamei o meu Deus em alta voz
Gritei o Seu nome na noite escura
Cristo redentor, olhando pra mim
Abriu os Seus braços e me chamou
Me chamou.

Vem...

Misericórdia, Graça e um cálice de amor
Estão na minha mesa antes do sol se por
Todos os dias Deus restaura meu ser
Toda essa obra é tão grande, eu sei, eu sei

Reconciliação!

Tu sabes quem eu sou.

Pra você fica o convite, lembre de Cristo às três da tarde. Lembre da sua infinita misericórdia e do amor com o qual Ele tanto te amou. Pois, foi por sua dolorosa paixão que hoje podemos viver esta obra tão grande de redenção, VEM!

domingo, 25 de setembro de 2011

Partilhando o Pão.

291191_147894901963364_111009048985283_293824_5839364_o

At 6,10 – Mas, não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com o qual ele falava.

† Jo 6,22-29

v. 27 – Trabalhai, não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, alimento que o Filho do Homem vos dará, pois Deus, o Pai, o marcou com seu selo.

A nota da Biblia de Jerusalém salienta que é neste capítulo em que duas tradiçoes joaninas aparecem. “Segundo uma delas, é o Pai que dá o pão verdadeiro, isto é, Jesus-sabedoria ou Palavra de Deus;” Estêvão na leitura precedente ao Evangelho aparece numa espécie de teofania, na qual ele, cheio da glória de Deus ensina e discute a Vida de Jesus, o Nazareno, que veio como Homem, e é o Ungido que os judeus esperavam, e age segundo a Sabedoria Divina, inspirado pelo Espírito de Deus.

Estêvão partilha a Palavra Viva, que é o próprio Cristo, nas sinagogas, isso divide os judeus entre atemorizados (como ficaram quando Moisés recebe a Lei no Sinai) e maravilhados e propensos à conversão.

O Batismo sela a vida do cristão, e o impele ao serviço, o leva a partilhar a Palavra-Viva, o próprio Jesus, através deste sacramento o cristão se torna apto à missão primaz de todo seguidor de Jesus: Ir e pregar o Evangelho.

Deus marca Estêvão e este fala com sabedoria e pelo Espírito, e através do alimento Palavra, do alimento Jesus, nós também nos tornamos aptos a partilhar a Vida de Deus, a intimidade com Jesus-Palavra-Sabedoria-Pão nos capacita a caminhar em novidade de vida e, de tal forma diferentes dos outros, que, assim como Estêvão, podemos ser “irresistíveis”, e que nossas palavras nestes dias sejam vida, nossas ações diferenciais, nosso testemunho transformador e por onde formos vidas se voltem ao verdadeiro Evangelho do Reino de Deus, segundo o qual Jesus chamado Cristo se dá por nós e ressurge verdadeiramente vivo e voltará.

Que minha vida seja como a de Estêvão: cheia de Deus e por onde eu passe, o Espírito de Deus tenha liberdade de agir através de mim, e que eu diminua de tal forma que seja Todo Ele em mim.

Totus tuus, ego sum, et omnia mea tua sunt.

v. 28 – Disseram-lhe então: Que faremos para trabalhar nas obras de Deus?

Quantas vezes não me perguntei isso? Ou não perguntei em oração? Perdi até as contas, mas, assim como estes judeus, não sabia muito bem como perguntava, afinal, Jesus responde no verso 29 que A obra de Deus é que cressemos naquele que Ele enviou, ou seja, o próprio Jesus. E então tudo se encaixa, porque a vocação de Deus a todos é que para Sua Glória e para Intimidade com Ele, para sermos família Sua, hoje, através de todos os meios de comunicação que temos disponíveis, podemos trabalhar nas obras de Deus, espalhando a Boa Nova, afinal: A OBRA DE DEUS É QUE CREIAIS NAQUELE QUE ELE ENVIOU.

Senhor, que eu possa experimentar todos os dias crer mais e mais naquele que Tu nos enviaste, Jesus, o mais amoroso de todos os homens desta Terra; Jesus, a razão de toda Vida; Jesus, o príncipe da Paz; Jesus, Torre Forte e Abrigo Seguro; Jesus, Pão Vivo que desce do Céu; Jesus, a Palavra Viva que alimenta eternamente; Jesus, a Raiz de Davi; Jesus, o Cristo!

Para maior Glória de Deus.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Surto Real

_ Vejo nele seu sorriso e posso ouvir teu coração.

A frase de sua dinda ficava alimentando o amor que sentia e a saudade que a apertava. Seu consolo único era ver as fotos do mar pela tela do computador. Há muito tempo queria sentir o cheiro de sua madrinha e de sua irmã. Há exatos sete anos. Havia tanto tempo que queria vê-las, exatos sete anos desde que saíra de casa pra sonhar e agora era tempo de voltar.

Era tempo de voltar e colocar seus pés em solo baiano. Morando no Paraná por sete anos seus hábitos tinham até mudado. Falava cantado como os paranaenses, aprendeu a tomar chimarrão, conhecia toda a cultura, sabia o que era um “redondo” e arrasta o r pra falar “calor, porta, corredor”. Esqueceu-se como era sua Salvador, esqueceu-se como era sambar e não sabia mais como era o cheiro do mar.

Aliás estava aí uma pergunta que não queria calar no coração daquela pobre estudante universitária: _ Que cheiro tinha mesmo o mar? Como era a escadaria do Senhor do Bonfim? Será que o acarajé andava muito quente? – Pôs-se a rir alto e sozinha pensando no dia em que sua irmã chegou esfomeada à baiana e disse:

_ Me dê um acarajé moça.

_ Completo?

_ Com tudo que tiver direito!

A fome era tanta que ela esqueceu que “tudo o que tiver direito” incluia a pimenta. Mordeu com gosto. Fez aquela cara de “ai tá quente!”, olhou pra sua irmã e só conseguiu sussurrar desesperada:

_ Água pelo amor de Deus!!!!

Comeu o acarajé com muita água, depois disso, por mais faminta que estivesse nunca mais disse “com tudo o que tiver direito”. Essa irmã era magrela, o cabelo andava curto, os olhos eram cor de mel, quer dizer, se o dia estivesse limpo até que dava pra enganar um verde, dava pra dizer que o dia mentia a cor de seus olhos. Era linda, o nariz arrebitado, como narizinho do Sítio do Pica-Pau Amarelo, tocava violão na missa, a voz era aguda e às vezes soava meio desafinada. Mas tinha um coração de ouro. Amável, apaixonante, sua irmã era uma menina linda.

Tinha mais dois irmãos além de Maria. Anita, um ano mais nova que Maria e Pedro com cinco anos. Anita tinha olhos verdes, cabelo bem cacheado, gingava como uma baiana de verdade e dançava pra valer. A dança e a poesia do povo, a música e a artes dramáticas eram seu forte. Lembrou-se de quando Anita, por preguiça e drama fingiu-se de morta pra não lavar as vasilhas do almoço. A cena foi hilária, chegou no quarto de Anita e a viu estirada sobre a cama com os pulsos em vermelho vivo. Desesperou-se:

_ Ani, Ani, por favor...

Aí sentiu um cheiro forte de acetona, olhou pro “corte” e percebeu que era teatro da irmã mais nova, decidiu colocar lenha na fogueira, foi até à geladeira, pegou duas pedras de gelo e voltou para o quarto. Lá chegando deixou cair as pedras nas costas de Anita. A menina pulou desesperada e ela riu com gosto.

_ Paula! Você não vale nada! Gelo é muita trairagem.

_ Ani precisava ver sua cara!!!

_ Minha cara? Você vai ver, vem já aqui pra ver com quantas bandejas de gelo te faço um boneco de neve.

As férias eram um sonho. Maria morava com a madrinha de Paula, Ir. Gisele, na cidade de Salvador. Sim, Maria era vocacionada de uma congregação religiosa, seu sonho era ser irmã. Entraria em Recife no ano seguinte para iniciar como Aspirante. Paula terminaria a faculdade e enveredava pelo mesmo caminho. Dos quatro irmãos, aparentemente Anita não desejava a vida religiosa e Pedro tinha vocação pra sacerdote, mas ninguém sabia. Afinal, aos cinco anos a vocação é algo singelo demais.

Diferentemente de Maria, Paula entraria no Rio Grande do Sul. Sim, iria ficar longe, prometeu pra Maria que se reencontrariam em São Paulo. E voltariam a morar juntas, fariam os votos juntas. Sonhavam juntas. Paula ensinaria Maria a tomar Chimarrão e a torcer pro Internacional. E Maria ensinaria Paula a sambar e mostraria o mar.

Planos...

Paula estava no último ano, finalmente! Nem acreditava que tudo estava chegando ao final. Então abriu a caixinha do correio e lá estava, uma carta de Anita.

Olá minha irmã!

Tenho sentido muitas saudades, não aguentava mais ficar longe de você. Como você está? O pequeno Peter cresce, mas vive chamando por você e por Maria. Mamãe está mais consolada, entendeu que vocês estão felizes e que é como se estivessem se casando. Mas sente saudades, sempre fala de vocês e chora pelos cantos. Papai me pede sempre pra jogar baralho com ele, como você fazia. Ele é mais reservado, você sabe, mas também sente tanto sua ausência... Quando será que vou te ver de novo? Você virá pra casa em dezembro não é mesmo? E vai ver Maria em Salvador? Você também sente falta da gente? Ah, consegui uma bolsa pra entrar no Ballet São Paulo, é o passo pra ir pro Ballet russo, vou sonhar com isso enquanto não estiver pagando impostos pelos tamanhos dos sonhos. Escrevi umas histórias e ganhei uns prêmios, mas é coisa boba da escola.

Sobre o que você tem escrito na faculdade? Continua sonhando com aquilo de missões? Desculpa mana, mas você é meio doida mesmo né, acho que tá no caminho certo. Na nossa família não tem ninguém no “padrão”.. gosto disso. Quem sabe um dia você e Maria não se encontram de novo e moram perto uma da outra. Vocês poderiam tentar tirar férias ao mesmo tempo e a gente faria a maior festança. Como estão as outras Irmãs? To com saudade da sua dinda, ela é muito legal. E aquela uma que falava engraçado? Tem visto? Continua jogando ludo com a Irmã comunista? Porquê mesmo que vocês chamavam ela assim? Coitadinha gente, ela era tão velhinha e vocês chingando a coitada de comunista...

O padre daqui falou que é pra vocês prepararem algo pra missa quando vierem em férias. Eu to indo numa igreja evangélica, to cantando por lá. É legal, o povo gosta de mim. Este negócio de colegial está me cansando, não consigo falar de filosofia e sociologia com as pessoas, ninguém gosta de discutir política, você me faz uma falta danada. Me ensinou a gostar destas coisas, agora estou perdida. Outro dia Peter acordou chamando seu nome, foi de cortar o coração, mas eu falo como se você não fosse voltar pra cá. Ai mana to com saudades. Olho pro céu e lembro tanto de você. Um abraço bem apertado em você. Te amo do fundo do coração, vem logo pra casa.

Beijos, Anita Guimarães do Rosário

São Paulo, 20 de Agosto de 2000.

Santa crise!! O coração apertou, queria correr para abraçá-la. Queria tê-la por perto. Ia desistir de tudo, de vocação, de chamado, de ser freira. Queria só um abraço de sua irmã mais nova. Então ligou pra sua vocacionista (a irmã que a acompanhava) e disse:

_ Irmã, irmã! Não quero mais saber desse negócio de ser freira.

_ Mas, o que aconteceu? Calma Paula, respira, tá tudo bem?

_ Minha mãe-irmã! To com saudades de casa, quero ver minha família.

_ Ô menina, vem aqui pra casa, vamos bater um papo, quero te ouvir, tudo bem?

_ To indo Irmã... quero chorar...

Paula entrou no ônibus que a levaria ao convento, quarenta minutos depois chegava no convento, ia ouvindo Coldplay e segurando o choro, o coração tava apertado e ela estava com a carta de sua irmãzinha no colo, já era a décima quinta vez em que lia “outro dia Peter acordou chamando seu nome...” Peter... Pedro, Anita chamava Pedro de Peter e o menino olhava com aquela carinha brilhante e ria.

_ Padinha... quelo Padinha...

Assim que ele chamava Paula. E aquela vozinha ecoava dentro da cabeça de Paula. Chegou no convento.

_ Irmã...

E pulou no pescoço da irmã, quebrando os protocolos, estava diante de sua mãe e irmã... Ir Clara a abraçou forte e disse: _ Calma Paulinha, calma, vamos pra dentro... espero que tenha vindo com pijama...

Sentaram na capela, Ir Clara fechou a porta e olhou com aqueles negros e profundos olhos para Paula.

_ Que aconteceu minha menina?

Paula entregou a carta. _ Estou com saudades Irmã... tantas saudades...

_ Eu te entendo. Eu sei como isso é duro. Logo você vai ver seus pais.

_ Não quero mais ir pro Rio Grande.

_ Mas, o que isso tem a ver com a saudade?

_ Ah, dói tanto, estou há tanto tempo longe...

_ Paula, vou te fazer uma pergunta bem séria.

_ Diga..

_ Tua vocação sumiu?

_ Hã?

_ É...aquele apelo no seu coração, de querer ser só de Jesus, de estar apaixonada... isso sumiu?

_ Acho que não... – Paula então levantou seus olhos pro Sacrário e eles se encheram de lágrimas, as tais saltaram de seus olhos. Como ela chorava.

_ Vou te deixar só, pensa um pouco, quando você conseguir escutar seu coração eu volto tá. Vou entender você qualquer que seja sua decisão, quero te ver feliz.

_ Irmã...

_ Sim Paulinha?

_ Só um coisa...

_ Sim?

_ Quero um abraço teu.. depois eu te chamo..

_ Ôh meu Deus – E ela abriu aquele sorriso honesto e acolhedor. Paula então se levantou e se lançou nos braços de sua irmã, tão perto dela, tão mãe. Tão famíla. Era isso!

_ Jesus continua me chamando, vou pra casa, mas vou voltar.

_ Ei menina, fica aí rezando. Tá muito precipitado isso...

_ Irmã, tá.. tudo bem...

E Paula rezou, rezou, rezou por quatro longos meses. Pegou seu certificado e voltou pra casa. Mas, ela sabia que havia um selo em seu coração. Ela tinha uma promessa e uma decisão. Ela tinha o selo da vocação.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Pra iluminar

“De que vale ser luz, se não for para iluminar o caminho dos demais?” (Walt Disney)

Hoje quis refletir um pouco sobre o fator ‘ser luz’ e comecei a pensar: Qual é a função de uma vela? Não é iluminar?

Apesar da cera sofrer com o fogo e se consumir por causa do fogo, enquanto MEIO pelo qual o fogo possa iluminar, a vela cumpre sua missão. E àqueles que fazem uso de sua luz, não errarão o caminho.

Assim, nós, cristãos, chamados a ser luz do mundo carregamos este tão grande tesouro em vasos de barro, ou melhor rs, carregamos esta tão preciosa chama em corpos de cera.

Essa reflexão pode ir muito além, porque é possível falar da ciência da cruz através da chama. Da renúncia, da dor, do sufoco, dos pequenos e grandes martírios, das ofertsa, os sacrifícios… como? Veja como se consome a cera. Observe que diante do calor, a cera derrete vagarosamente, ela se entrega, se rende aos poucos, se deixa consumir, aceita serena a missão de iluminar pagando o preço de ser um sacrifício perfeito, e sem a percepção do alcance de sua missão, do quanto ela ilumina, até o completo sacrifício. Atingindo o ápice de sua entrega, a chama consome a cera e se exaure.

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?

Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro” (Rm 8,35-36)

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;

Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.´” (1 Co 13)

sábado, 17 de setembro de 2011

Sementinha.

Moçada, vamos lá, comigo, mãozinha pra cima, muita alegria, vamos cantar e dizer: Bom dia! Bom dia! Bom dia!

Bem, peguei a Bíblia hoje cedinho e fui ler o que dizia o Evangelho de hoje. Que está em Lc. 8,4-15 e que trata-se da parábola do semeador e sua devida explicação. (Sugiro que você gaste um tempinho procurando e lendo, vale a pena… inclusive compare traduções diferentes, vai enriquecer sua experiência).

Comecei a pensar sobre a “semente do Reino dos Céus”. O que seria essa semente?

A maior parte dos pregadores usa essa parábola pra falar de evangelismo, missões, já cheguei a ouvir até que se tratava de uma lei pra dízimos (!!! sim, também considero um absurdo, ainda mais num país como o nosso em que a divisão de renda é precária – pra não dizer inexistente – e o ensino público fundamental e médio é uma vergonha), isto, porque falam que a parábola fala sobre a semente frutifica à “cem por um”.

Enfim, comecei a refletir sobre esta semente no nosso coração… uma “nova” interpretação eu pude vislumbrar (o termo “nova” está entre aspas pois que, certamente alguém já teve a mesma interpretação que eu há muitíssimo mais tempo – risos). Enfim..

Se o Reino dos Céus é como uma semente, logo vai se tornar uma plantinha, ou uma árvore, concorda comigo? Pois bem, é a lógica das sementes – se você plantar uma semente, colocar o adubo certo (oração, bíblia, comunhão), cuidar como um bom agricultor (vigiar, se arrepender do pecado, confessar), logo sua semente rompe a terra e começa a crescer. Entretanto, e, isso é muito importante: com o TEMPO e à medida em que DEIXAMOS DEUS TRABALHAR em nosso coração, arar a terra, a sementinha conseguirá romper a terra.

Como esta semente é especial, é uma semente de fruto diferenciado, valorativo, o que será que nascerá? Penso que seu fruto é o que está em Gl. 5,22 em diante. Ou seja, vira um raminho do “fruto do Espírito”, que se desmembra em raminhos de amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão,  autodomínio.

Mas, essa plantinha só vai se tornar uma planta forte e madura, se, e somente se, obedecer aos requisitos do versículo (olha a frase de uma típica formanda em Direito kkkkkk legalista kkkkk), quer dizer, se você deixar-se moldar para ter uma terra boa pra sua semente, ou seja, “o que está em terra boa são os que com CORAÇÃO NOBRE E GENEROSO, CONSERVAM-NA (a semente) e produzem fruto PELA PERSEVERANÇA…”

Então, abre o corezinho aí... deixa Jesus arar a terra, limpar td, tirar os pulgões, os carrapatos, jogar água, por um adubinho básico que a árvore quer crescer!!!!!

Bom final de semana,

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Viver é…

Sabe do que eu gostaria hoje? De poder deitar na rede e contemplar o céu por um longo tempo. Foram muitos desafios para um único periodo de 18horas, rs. Mas, quer saber? Tirando a média de prós e contras, é muito bom poder rir de tudo. Até do que técnicamente não poderíamos.

No meio do dia você olhar pra pessoa que trabalha com você e soltar num tom extremamente desafinado: _ Amanhã de manhã, vou fazer um café pra nós dois…

É riso certo e ambiente descontraído, claro que só cantar não basta, pega o extrator de grampos pra fazer de microfone e improvisa a dança que é tiro e queda! Tipo assim:

E, claro, na vida nem sempre é possível cantar. Então, quando você se deparar com o que não conhece, ou, quando encontrar a dor insuportável da perda, da desesperança e da saudade a melhor coisa a fazer é

Meu amigo, por favor entenda, eu sei o que é a dor. Posso não conseguir mensurar a sua, mas também enfrentei os desafios que me couberam… lógico que quando eu realmente vejo a miséria da alma do homem eu não sei o que fazer e só posso ouvir e irei ouvir. Irei dar o meu melhor, quero ser toda coração e colo, serei tudo o que puder. Vem, sou um ombro, braços e mãos, sou olhos atentos, ouvidos atenciosos, colo aconchegante, abraço acolhedor… sou tua irmã! Diante do Deus que enfrentou todo tipo de dor humana que nós sequer sonhamos enfrentar, eu me postarei ao seu lado e direi: _ Senhor, to com essa criaturinha aqui e precisamos falar contigo… senta ao nosso lado que o papo vai ser longo. Quero ouvir tuas ideias e saber o que o Senhor pensa disso tudo…

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A Sinfonia dos Dois Mundos–Hélder Câmara

ig_ das frontieras - 3

Termino hoje a terceira parte do livro "Dom Helder: entre o poder e a profecia", do querido Prof. Walter Praxedes, DCS-UEM, e com a seguinte sensação: este homem Hélder. Bispinho de Olinda e Recife, absurdamente humano, apaixonado pelo povo. Intrínsecamente amoroso, devotado à Igreja, fiel a Deus e ao Evangelho. Uma interrogação e uma marca ao nosso egoísmo. Um desafio concreto à juventude apática e uma resposta coerente aos que ainda tentam calar a voz do povo.

Hoje não calam a voz do povo com a Ditadura Militar, calam a voz do povo com a injustiça escancarada, com a ausência de oportunidades e com o descaso com a Educação. Não se tem mais direito à educação, as crianças vão para as escolas, mas seus professores não sabem mais utilizar a língua, não sabem ensinar, não tem mais conhecimento do que aqueles que saem do Ensino Médio. A Educação é uma vergonha e nada fazemos para mudar a situação.

Hélder Câmara, uma lembrança de que é NECESSÁRIO e POSSÍVEL fazer algo que preste pra reverter a situação. Deixo aqui um trecho de "La Symphonie des deux mondes", de Pierre Kaelin ao bispinho.

Não, estou longe de ser socialista, comunista, qualquer coisa do gênero. Sou apenas uma estudante brasileira que ainda pensa um pouco sobre Justiça... e sobre o meu irmão, que não tem sequer o que comer e não consegue entender essa religião do pão que não lhe oferece pão...

Aos que trabalham de fato e aos que teorizam estes fatos, em favor dos oprimidos, façamos! Agradeço de coração ao Movimento do qual faço parte, o CRISTMA (Cristo Te Ama), porque foi alí que me deparei com as forças mutantes que de fato conseguem tirar do poço o oprimido e abatido, aquele que já não tem mais nem razão de existir, o verdadeiro excluído...

Aquele que depende de alcool, das drogas, das emoções que inebriam, para sobreviver.

Meu mais sincero obrigada.

Cristma

II CANTO - HOMEM MEU IRMÃO

“Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira de contempla.

O Oceano das florestas

e o incêndio das flores,

as lanternas lá do céu

e o espelho das águas,

e as vozes fervilhantes

de todos os animais

divididos entre a confiança e o medo.

É a criação em tudo,

ao teu redor,

um pouco de inveja e de curiosidade

leva a seguir os passos

do eleito do Criador.

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla.

E ousado tu vais tão longe

na linha da inteligência

esta é a linha da tua chance?

E ousado tu vais tão longe,

emprestando tua inteligência

a serviço do computador.

No imenso mundo das estrelas

tu te tornas viajante

em naves espaciais...

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla

e te inveja.

E ousado tu vais tão longe

na linha do egoísmo.

Tão longe que te mostras indigno

da preferência maravilhosa

e quase escandalosa

que o Senhor te manifestou

o rumor das questões

parte de todo lado.

Homem, meu irmão,

vê que a criação inteira te contempla

e te interroga!"

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Sobre o valor de um céu…

Boa noite,

Pensei um pouco sobre o valor de uma amizade. Pensei um pouco sobre a essência disso. Por que as pessoas se chamam de “amigos”?

Não adianta, eu não achei nada além de pequeno príncipe pra me ensinar a respeito. Ele ganha em disparada de todos os outros. Só sei que quem tem um amigo, tem um tesouro muito grande. E feliz quem descobre nos pais, irmãos, e futuros irmãos (congregação!!) grandes amigos. Me sinto feliz em poder ter isso… sou muito, mas muito feliz.

Se sentimento falasse, hoje ele diria muitas coisas. Pena que os meus não sabem falar. Não consegui educá-los ainda.

Tudo que eu sei dizer é: Abraços… um dia o meu te alcança!

Dá-me Um Abraço

Miguel Gameiro
Dá-me um abraço que seja forte
E me conforte a cada canto
Não digas nada que o nada é tanto
E eu não me importo
.. ..
Dá-me um abraço fica por perto
Neste aperto tão pouco espaço
Não quero mais nada, só o silêncio
Do teu abraço
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
Dá-me um abraço que me desperte
E me aperte sem me apertar
Que eu já estou perto abre os teus braços
Quando eu chegar
.. ..
É nesse abraço que eu descanso
Esse espaço que me sossega
E quando possas dá-me outro abraço
Só um não chega
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço
.. ..
E estando longe, estive tão perto
Do teu abraço

Música portuguesa, lindinha… falou e disse!

P.S. Agradecimento especial ao som de Miguel Gameiro que falou o que eu queria falar e ao Snoopy, ele e eu temos algo em comum: Abraçamos sem pedir licença… e é desse jeito o meu abraço kkkkkk #falei

domingo, 11 de setembro de 2011

Encontro de verdade

Já parou pra pensar no valor de um abraço?

Se estou escrevendo sobre o valor dele, é porque, de fato o que eu queria mesmo era poder abraçar. Mas estou tão longe. Só consigo abraçar o sentimento, o sonho, olhar com o coração cheio de expectativa e de desejo de encontros e reencontros.

A expressividade que tem o abraço diz muito mais do que eu conseguirei dizer aqui. Gente, vamos combinar, não tem preço aquele abraço fofinho, cheio de amor e que te envolve com ternura, tem?

Não tem preço aquele abraço que mata saudades de tempos e tempos. Aquele abraço esperado que tem cheiro de amor. Tem cheirinho de vida.

Não tem preço a vontade de estar perto, de bagunçar o cabelo, de ouvir a voz, ouvir os passos, até de brigar, porque faz falta… O preço do abraço só pode ser mensurado pelo preço do amor. Quanto maior amor, maior a intensidade do abraço.

Alguns abraços meu coração ainda pode sentir. Alguns eu ainda sinto o cheiro. Outros preciso olhar pro Céu pra poder sentir. Outro vislumbro num pequeno vaso de flores. Outro vejo na capa de um livro, num par de sapatos. Mas, nada como poder abraçar de verdade… aquela pessoinha toda especial. A construção de um relacionamento não precisa ser dita,  só é dita com palavras quando a distância ainda é grande.

Esta noite sonharei com o Céu estrelado, e as nuvens abrirão um largo sorriso e eu ouvirei seu coração. Porque o som de grande paz me invadiu e te abraçarei com desejo de reencontro. Dançarei como nunca antes. Sim, irei sorrir porque as nuvens já lavaram minha alma. Irei te ver outra vez. Titlintando seus passos dentro de mim… para sempre, todos os dias irei te encontrar em mim.

Boa semana,

Vendedor de Sonhos

James Taylor e Milton–1987…fantástico!

Vendedor de sonhos
tenho a profissão viajante
de caixeiro que traz na bagagem
repertório de vida e canções

E de esperança
mais teimoso que uma criança
eu invado os quartos, as salas
as janelas e os corações

Frases eu invento
elas voam sem rumo no vento
procurando lugar e momento
onde alguem tambem queira cantá-las

Vendo os meus sonhos
e em troca da fé ambulante
quero ter no final da viagem
um caminho de pedra feliz

Tantos anos contando a hitória
de amor ao lugar que nasci
tantos anos cantando meu tempo
minha gente de fé me sorri
tantos anos de voz nas estradas
tantos sonhos que eu já vivi

sábado, 10 de setembro de 2011

Liberdade…

"O dia mente a cor da noite /E o diamante a cor dos olhos /Os olhos mentem dia e noite a dor da gente" (Teatro Mágico)

Sempre adepta da Liberdade, criada na liberdade e para a liberdade. Escolho portanto ser serva por amor. Quando me deparo com situações de coibição na qual as pessoas não conseguem e nem podem ter liberdade de PENSAR, de CRER, de MANIFESTAR sua fé, fico com o coração apertado.

Quer dizer, as pessoas precisam ter liberdade de crer e de descrer e ser respeitadas nisso. Já deve ser a enésima vez que me calo por amor. Me calo pra não manifestar a fé. Me calo num país livre. ME CALO. Desta vez resolvi falar. Espero que seja respeitada. Afinal estou manifestando meu direito constitucional de crença.

Moro num país de maioria cristã. Num lugar em que os cristãos se criticam, se separam, sentem preconceito uns dos outros, tudo, menos amor… tudo menos Jesus.

Cristão… ser cristão é ser o quê afinal de contas? É expressar o que afinal de contas? O que é crer em Jesus? E por que se diz crer Nele?

Por medo de danação eterna? Medo?!

Crer em Jesus é sinônimo de perseguição, sim é, estou ciente disso. Abraço isso e oferto. Entretanto, em nome de todos aqueles que passam pela mesma situação que eu, falo: Creio em Jesus.

E ainda digo mais, para escândalo de alguns, decepção de outros, descrédito de outros mais, e alegria de muitos:

Creio em Deus Pai, todo-poderoso, Criador do céu e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor. Que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu à mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos Céus está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, donde há de vir julgar os vivos e mortos. Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna.

Sim, sou católica.

Com alegria, sou católica.

Às vezes tenho a impressão de não poder expressar isso. Não importa o que fui ou deixei de ser, hoje sou cristã-católica. Minha vida é marcada pela liberdade de um país que permite a liberdade de crença. Coisa que alguns de nossos cidadãos não entenderam. Não é o fator “Mas, por quê?” e sim “Você o quê?”

Não se ouve a sua opinião acerca da mudança, mas sim a acusação “Não acredito que você fez isso!”.

Não se quer saber com boa-fé, mas como os judeus tradicionais, citados nos Evangelhos: “Procuravam isso com a intenção de matá-lo”.

Quer dizer, creio no que eu quiser. E descreio do que quiser. Ser Cristã, pra mim, hoje, é ser católica. É crer na igreja pecadora e santa. É crer nos Sacramentos. É crer na comunhão dos santos. Sim! É rezar o terço, é ter devoções, é expressar isso como eu puder. É evangelizar de uma maneira simples, sem coerção e nem manipulação. É respeitar o outro pelo que ele pensa e é, e aceitá-lo. Amá-lo, sobretudo!

Sim, não quero “enfiar” dogmas na sua garganta e pedir que você aceite. Quero viver e expressar minha fé como parte da minha personalidade, do que sou, com o que sou, e se isso te encantar, compartilhar com fé meu credo. Não quero e nem vou dizer “aceite Jesus ou vá pro inferno”…

Quero te ver feliz. Quero te ver amando.

Por favor, entenda, não quero dizer pra você que mudei, não, continuo a mesma pessoa de sempre, maluca, reconheço, porém, apaixonada pelo mesmo Deus, mesmo Senhor Jesus, e expresso isso.

Vivo… e deixo viver.

Mar da Vida.

67733_102253033177428_100001781950085_14208_5182801_n

Boa tarde,


"Amar é sempre ser vulnerável. Ame qualquer coisa e certamente seu coração vai doer e talvez se partir. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto , você não deve entregá-lo á ninguém , nem mesmo a um animal. Envolva o cuidadosamente em seus hobbies e pequenos luxos, evite qualquer envolvimento, guarde o na segurança do esquife de seu egoísmo. Mas nesse esquife – seguro , sem movimento , sem ar – ele vai mudar. Ele não vai se partir – vai tornar se indestrutível, impenetrável , irredimível. A alternativa a uma tragédia ou pelo menos ao risco de uma tragédia é a condenação. O único lugar além do céu onde se pode estar perfeitamente a salvo de todos os riscos e pertubações do amor é o inferno." (C.S Lewis)

Eu aceitei o risco de amar, eu sei que em alguns dias vou acordar com o coração cinza e pesado, com frio e fome, porque na noite anterior tive que chorar, mas vai passar, sempre passa, e não me deixa "triste", mas me ensina que sempre terei a beleza daquilo que com o outro construí. A Castidade de verdade é essa que dá um pedacinho do coração pro outro, aceitando o risco do negócio. Eu poderia construir uma parede ao redor do meu coração, colocar uma armadura na minha alma pra evitar me envolver, mas que graça tem aceitar entrar na corrida sem ralar o joelho? A graça da corrida está justamente nos ralados, nas cicatrizes.


Pra minha idade acho que tenho algumas cicatrizes que antes não gostava de ver, hoje, acredito que ao partilhá-las no momento e com a pessoa certas deixam de ser marcas feias pra se tornarem bálsamos de cura pro outro. O mistério da morte cotidiana é que dela brota vida. A única religião do mundo que apregoa isso é o cristianismo, porque da cruz surge redenção e cura. Das feridas do coração extraímos bálsamo precioso que cicatriza.
É como se cada lágrima (E a biblia até traça uma alegoria neste sentido no livro de Apocalipse), Deus recolhesse em seu odre precioso e quando nós nos encontramos com nosso irmão, e o coitado tá estrupiadinho e não consegue nem levantar a cabeça, o Senhor pega então uma pequena gotinha daquilo que era dor pra nós e pinga na alma do nosso irmão, nós através da dor, levamos cura.
Somos médicos feridos. 

Me sinto feliz, e quando o céu ficou pesado e cinzento, senti uma gota de água na testa, as plantinhas começaram a festejar. Aí não aguentei, peguei meu tamborim e cai no samba... peguei emprestado a letra de vinicius de morais e a plenos pulmões cantei:


"Por céus e mares eu andei
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber o que é o amor
Ninguém sabia me dizer
E eu já queria até morrer
Quando um velhinho com uma flor assim falou:
O amor é o carinho
É o espinho que não se vê em cada flor
É a vida quando
Chega sangrando
Aberta em pétalas de amor"

Mas, chorei, e precisei compreender que a vida é fruto do amor. Do mais puro amor que sente e crê.

“Quem bater primeira dobra do mar
Dá de lá bandeira qualquer
Aponta pra fé e rema

É, pode ser que a maré não vire
Pode ser do vento vir contra o cais
E se já não sinto teus sinais
Pode ser da vida acostumar

Será, Morena?
Sobre estar só, eu sei
Nos mares por onde andei
Devagar
Dedicou-se mais
O acaso a se esconder
E agora o amanhã, cadê?

Doce o mar, perdeu no meu cantar (x 2)

Só eu sei
Nos mares por onde andei
Devagar
Dedicou-se mais
O acaso a se esconder
E agora o amanhã, cadê?”

(Dois barcos, Los Hermanos)


Obrigada, este é o pedacinho do meu coração pra você.

domingo, 4 de setembro de 2011

Star Trek e Cristianismo - II

“Atenção, Atenção. Esta é mais uma edição do diário de bordo de Lucas Silva e Silva, falando diretamente do mundo da lua.”

(fala de Lucas em “O mundo da lua”, seriado da Tv Cultura)

Boa noite navegantes!

Acabei mais uma empreitada pelo mundo fantástico de Star Trek. Termino por aqui o 2º filme da saga, conhecido como “A Ira de Khan”

Tirei várias lições dele, mas, justiça seja feita, o que mais me chamou a atenção foi o “sacrifício de Spock”. Já parou pra pensar o quanto isso tem de bíblico?

Calma navegante, seja amigo, não pense que é alguma heresia. Vamos com calma que o andor ainda é de barro.

O filme todo é uma constante análise de como lidar com sentimentos esquecidos: iras antigas, mágoas, rancores, problemas de convivência, problemas de caráter, mentiras, omissões, revoltas, enfim, tudo aquilo que um humano normalmente precisa enfrentar à partir do momento em que coloca seus pés em solo terrestre, saindo do útero de sua mãe.

A Enterprise mais uma vez é atingida por um lunático irado, Khan, com os humanos, desta vez a ira é contra um humano em particular, conhecido como Almirante Jimmy Kirk, ou Capitão Kirk. Ira esta de um problema relacional do passado, que se tornou uma doença na alma de Khan.

Num dos entraves a nave em que está Khan atinge a Enterprise e esta fica sem o propulsor principal, ou seja, sem energia. À partir daí, o esquema para se manter vivo é basicamente militar, e é aqui que entra o sacrifício de Spock.

Ele vai até o setor de Engenharia e, contrariando o médico e o Engenheiro chefe entra numa sala em que há radiação tamanha para matar um humano, Spock sendo metade humano e metade vulcano aguenta com maior resistencia o contato com o material radioativo. Deliberadamente se expõe, arruma o propulsor e dá condições para que a Enterprise atinja sua máxima potência e salve a vida de todos.

Sem título

Esta é a cena em que dialogam Kirk e Spock, quando este, já degradando-se, rende sua vida.

Spock _ O bem de muitos pesa mais

Kirk _ que o bem de alguns

Spock _ ou de um só…

Aqui me chamou a atenção por causa da questão sacrificial que aparece. Spock tem um papel redentor, o que me leva a pensar na Cruz.

Óbvio que não vou divinizar Spock, muitos mártires figuram na História da humanidade para que eu viesse a cometer tamanha gafe. O que quero expor aqui é que, da mesma forma que Spock considerou sua vida como meio para salvar os outros, Jesus o fez para salvar você.

E o que normalmente escuto aqui quando falo essa frase batida é:

_ Me salvar de quê? Tenho cara de escória? Sou alguem que precisa de salvação?

Não, você não é escória e aparentemente não parece perdido, parece? Acho que você sabe lidar bem com a morte, com você mesmo, com problemas com sua mãe, com seus sentimentos e emoções. E claro, você também sempre consegue fazer tudo certinho, não se culpa por nada, sua consciencia tá sempre Zen… acertei né?

Não?!

Você é como eu? Você se irrita, chuta o pau da barraca, quebra tudo, fica chateado, sente saudade, chora, não sabe direito como é isso de morte e erra quando quer acertar, acerta de vez em quando, puxa! Que bom!!

Quase cheguei a pensar que era a última humana da espécie…

A Bíblia fala que nós, humanos, lá no início de tudo, fizemos a maior burrada de todas, nós pecamos.. nós não porque nem eu e nem você éramos nascidos, mas, conta o relato bíblico que os primeiros humanos fizeram isso por nós. E, como eu acredito que não vim de nenhum macaco e você não me parece ter jeito pra pulador de galhos, suponho que tanto você quanto eu venhamos do mesmo lugar.

Lá, em nossos primeiros pais, pecamos com eles, pois somos frutos da mesma árvore genética. Aceite os fatos, com tudo isso, acabou que esse negócio de fazer o mal, rir da desgraça do outro, mentir (nem que seja mentirinha branca), corrupção, omissões, promiscuidade, assassinatos, tudo isso, entrou no mundo.

E vou te assustar um pouco mais, pecado sempre será pecado. Não tem outro nome pro trem, não adianta maquiar o bicho não. Ele tem cheiro…

Foi por isso que Jesus veio, não tinha nenhum outro jeito de nos livrar dessa sem o sacrifício de alguém, estávamos num beco sem saída. Todo pecado tem o mesmo preço. Esse preço é a separação total de Deus (morte).

Então, Jesus, inocente, cara ele não tinha culpa no cartório, não tinha NADA contra Ele… Ele veio no buteco da vida, pegou a tua conta e a minha e pagou. Com todos os juros e correções monetárias possíveis…

Ele não considerou o bem de si mesmo, mas escolheu te salvar…

Star Trek e Cristianismo, TUDO A VER!

 

Boa semana!