domingo, 11 de setembro de 2011

Encontro de verdade

Já parou pra pensar no valor de um abraço?

Se estou escrevendo sobre o valor dele, é porque, de fato o que eu queria mesmo era poder abraçar. Mas estou tão longe. Só consigo abraçar o sentimento, o sonho, olhar com o coração cheio de expectativa e de desejo de encontros e reencontros.

A expressividade que tem o abraço diz muito mais do que eu conseguirei dizer aqui. Gente, vamos combinar, não tem preço aquele abraço fofinho, cheio de amor e que te envolve com ternura, tem?

Não tem preço aquele abraço que mata saudades de tempos e tempos. Aquele abraço esperado que tem cheiro de amor. Tem cheirinho de vida.

Não tem preço a vontade de estar perto, de bagunçar o cabelo, de ouvir a voz, ouvir os passos, até de brigar, porque faz falta… O preço do abraço só pode ser mensurado pelo preço do amor. Quanto maior amor, maior a intensidade do abraço.

Alguns abraços meu coração ainda pode sentir. Alguns eu ainda sinto o cheiro. Outros preciso olhar pro Céu pra poder sentir. Outro vislumbro num pequeno vaso de flores. Outro vejo na capa de um livro, num par de sapatos. Mas, nada como poder abraçar de verdade… aquela pessoinha toda especial. A construção de um relacionamento não precisa ser dita,  só é dita com palavras quando a distância ainda é grande.

Esta noite sonharei com o Céu estrelado, e as nuvens abrirão um largo sorriso e eu ouvirei seu coração. Porque o som de grande paz me invadiu e te abraçarei com desejo de reencontro. Dançarei como nunca antes. Sim, irei sorrir porque as nuvens já lavaram minha alma. Irei te ver outra vez. Titlintando seus passos dentro de mim… para sempre, todos os dias irei te encontrar em mim.

Boa semana,

Vendedor de Sonhos

James Taylor e Milton–1987…fantástico!

Vendedor de sonhos
tenho a profissão viajante
de caixeiro que traz na bagagem
repertório de vida e canções

E de esperança
mais teimoso que uma criança
eu invado os quartos, as salas
as janelas e os corações

Frases eu invento
elas voam sem rumo no vento
procurando lugar e momento
onde alguem tambem queira cantá-las

Vendo os meus sonhos
e em troca da fé ambulante
quero ter no final da viagem
um caminho de pedra feliz

Tantos anos contando a hitória
de amor ao lugar que nasci
tantos anos cantando meu tempo
minha gente de fé me sorri
tantos anos de voz nas estradas
tantos sonhos que eu já vivi