domingo, 25 de setembro de 2011

Partilhando o Pão.

291191_147894901963364_111009048985283_293824_5839364_o

At 6,10 – Mas, não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com o qual ele falava.

† Jo 6,22-29

v. 27 – Trabalhai, não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, alimento que o Filho do Homem vos dará, pois Deus, o Pai, o marcou com seu selo.

A nota da Biblia de Jerusalém salienta que é neste capítulo em que duas tradiçoes joaninas aparecem. “Segundo uma delas, é o Pai que dá o pão verdadeiro, isto é, Jesus-sabedoria ou Palavra de Deus;” Estêvão na leitura precedente ao Evangelho aparece numa espécie de teofania, na qual ele, cheio da glória de Deus ensina e discute a Vida de Jesus, o Nazareno, que veio como Homem, e é o Ungido que os judeus esperavam, e age segundo a Sabedoria Divina, inspirado pelo Espírito de Deus.

Estêvão partilha a Palavra Viva, que é o próprio Cristo, nas sinagogas, isso divide os judeus entre atemorizados (como ficaram quando Moisés recebe a Lei no Sinai) e maravilhados e propensos à conversão.

O Batismo sela a vida do cristão, e o impele ao serviço, o leva a partilhar a Palavra-Viva, o próprio Jesus, através deste sacramento o cristão se torna apto à missão primaz de todo seguidor de Jesus: Ir e pregar o Evangelho.

Deus marca Estêvão e este fala com sabedoria e pelo Espírito, e através do alimento Palavra, do alimento Jesus, nós também nos tornamos aptos a partilhar a Vida de Deus, a intimidade com Jesus-Palavra-Sabedoria-Pão nos capacita a caminhar em novidade de vida e, de tal forma diferentes dos outros, que, assim como Estêvão, podemos ser “irresistíveis”, e que nossas palavras nestes dias sejam vida, nossas ações diferenciais, nosso testemunho transformador e por onde formos vidas se voltem ao verdadeiro Evangelho do Reino de Deus, segundo o qual Jesus chamado Cristo se dá por nós e ressurge verdadeiramente vivo e voltará.

Que minha vida seja como a de Estêvão: cheia de Deus e por onde eu passe, o Espírito de Deus tenha liberdade de agir através de mim, e que eu diminua de tal forma que seja Todo Ele em mim.

Totus tuus, ego sum, et omnia mea tua sunt.

v. 28 – Disseram-lhe então: Que faremos para trabalhar nas obras de Deus?

Quantas vezes não me perguntei isso? Ou não perguntei em oração? Perdi até as contas, mas, assim como estes judeus, não sabia muito bem como perguntava, afinal, Jesus responde no verso 29 que A obra de Deus é que cressemos naquele que Ele enviou, ou seja, o próprio Jesus. E então tudo se encaixa, porque a vocação de Deus a todos é que para Sua Glória e para Intimidade com Ele, para sermos família Sua, hoje, através de todos os meios de comunicação que temos disponíveis, podemos trabalhar nas obras de Deus, espalhando a Boa Nova, afinal: A OBRA DE DEUS É QUE CREIAIS NAQUELE QUE ELE ENVIOU.

Senhor, que eu possa experimentar todos os dias crer mais e mais naquele que Tu nos enviaste, Jesus, o mais amoroso de todos os homens desta Terra; Jesus, a razão de toda Vida; Jesus, o príncipe da Paz; Jesus, Torre Forte e Abrigo Seguro; Jesus, Pão Vivo que desce do Céu; Jesus, a Palavra Viva que alimenta eternamente; Jesus, a Raiz de Davi; Jesus, o Cristo!

Para maior Glória de Deus.