quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Janelas



Aquela janela que me revelava o céu azul. Aquele mar imenso se encontrando com o céu. Como que se me dissesse: poderia abrir essa janela?
Toda vez que entro na igreja de S. Bento, aqui de Salvador, é sempre a mesma coisa, aquela sensação inexplicável de que há algo pra ser silenciado, um enigma a ser transcendido, um sentimento a ser acolhido, uma explicação que não será dada, um abraço que será entregue por algum anjo advindo dos átrios de Deus, na simplicidade do dia-a-dia, na fila da comunhão, do partir do pão. 

Poderia me permitir entrar?

Sempre é tempo de retomar a caminhada, retomar a própria vida, retomar o coração, retomar a existência, se permitir, se ampliar, se conhecer, se entregar. Tudo é experiência. Tudo passa pelos rins, pelo coração, pela alma... tudo é transcender, filosofar. 




Pedaços, todos os pedaços. Todos os sentimentos, os bons e os ruins. A essência boa de quem queria se santificar e a revolta incoerente de quem é vítima de violência. Paradoxos da existência. "Eu entendo a juventude transviada, e o auxílio luxuoso de um pandeiro", já cantava a saudosa Cássia Eller, "Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada, Uma mulher não deve vacilar...Cada cara representa uma mentira. Nascimento, vida e morte, quem diria...Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada. Uma mulher não deve vacilar..." E hoje, bem, eu sou parte da juventude transviada, sou mulher, não posso vacilar, preciso encontrar a fortaleza mesmo sendo fraca. A maturidade na minha loucura. Compreendendo a beleza do Transcendente. Do Eterno. 



"Only I need is You... only I need is You, Lord".
"Panda, você realmente é panda... tá em extinção... pessoas como você estão em extinção... elas não se reproduzem mais..." (Lipinho)... Quem sabe, não existam outros pandas por aí, botando sal e luz onde ninguém vê mais nada... eu sou tão cheia de falhas, tão eu, tão limitadinha... mas, meu coração, não duvide, é todo especial pra quem sabe cativar... ♥

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Como criança

A melhor coisa do meu dia é quando sinto o amor do Pai.

Hoje eu te convido a comigo fechar seus olhos. Esquecer as pressas do dia. Esquecer seus desesperos. Acalmar, aquietar, respirar sentindo aquele amor... aquele amor há muito tempo desaparecido do seu coração. O amor que fazia muito tempo que não sentia...

O amor do seu Pai! Sim, do seu Pai do céu! O amor que você mais anseia, que responde todos os teus anseios, deixe que Ele te leve aonde você possa ouvir a voz d'Ele. Se permita senti-lo. Abra seu coração.

Pai,
meu Pai! 
Papai!! 
Meu Papai!!!! Eu estava sentindo sua falta!
Sentindo saudade de Ti!
Saudade do teu afago!
Saudade do teu colo!
Saudade do seu amor!!!!
Meu Pai! Vem Senhor e me toma em teu colo!
Me abrace Papai! Me abrace, me acolha!
Vem Deus!
Como criança... quero ser como uma criança pequenina no seu colo!
Me gira no ar!
Me rodopia!
Me perdoa!
Me renova!
Restaura todo meu ser!
Renova meu coração!
Cura minha alma!
Vem Jesus!
Te amo Deus!
Me ensine a te amar cada vez mais.
Me ensine a estar com Você todos os dias.
Todas as noites.
Todas as horas. 
Sim Deus, eu sinto a sua presença inundando meu Ser. 

Me leva onde eu possa ouvir Jesus a TUA VOZ!

Acalma meu ser, renova meu amor, restaura minha família, restaura o nosso amor, renova nossa casa, cuide de nós Abbah! 

Através do sangue de Jesus é que nós falamos contigo, por meio do Nome DEle, agradecemos por teu renovo e por tua paz que excede todo o entendimento. 

Amém!

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Por onde andei enquanto você me procurava?


Pra quem gosta de Nando Reis, sabe que esse é um trechinho de uma música linda... e ela vem falar um pouco de como eu andava nos últimos meses, absolutamente perdida, não perdida no espaço, mas sim perdida de mim, perdida dos outros. Eu me perdi.
Me perdi por covardia e cegueira. 

"Desculpe
Estou um pouco atrasado
Mas espero que ainda dê tempo
De dizer que andei
Errado e eu entendo" (trecho da canção por onde andei)


De repente estava eu num lugar totalmente avesso a tudo que eu sonhei, mas eu tinha a presença de tudo aquilo que eu precisava. Meus amigos. Eu tinha, até o dia em que inventei de colocar uma máscara inconsciente. Me esconder atrás de uma coisa que eu não era e que nunca fui. Sim, eu admito, eu queria apenas agradar. Mas, eu errei, meu Deus como errei. 

Enquanto eu estava longe fisicamente, conseguia atingir o coração, quando vim pra perto, me perdi diante de tanto coração! Fiz questão de me esquecer que sou apenas humana, que tenho meus próprios anseios. Que ADORO encontrar você sempre às 22horas pra conversar, pra perguntar como foi seu dia, pra ouvir de você aquilo que você tinha pra partilhar. Fazer nada, ficar perto, mas, é perto de verdade, só eu e você. Não aquele perto com os outros. Mas, aquele perto olhando nos olhos, ou ouvindo seu coração. As orações, todos os dias as orações, as mais malucas orações... eu era um céu que nunca tinha mergulhado no mar e você, bem, você era o mar tentando encontrar o céu. Um dia o céu encontrou o mar, e a euforia foi tanta que todo mundo ficou perdido. Um mergulhou no outro e de repente já não se sabia quem era o que, mas uma coisa aconteceu, sem que ninguém percebesse... aconteceu sim, esse encontro de dois entes aparentemente iguais resultou no desencontro deles mesmos.
O céu se esqueceu de que era céu e o mar se esqueceu de que era mar. Todo mundo esqueceu tudo. E um ficou procurando pelo outro. No silêncio desesperado da falta de encontros. 

"As suas queixas tão justificáveis
E a falta que eu fiz nessa semana
Coisas que pareceriam óbvias
Até pra uma criança" 
(trecho da canção por onde andei)


Era tudo tão simples não era? O que nos faltou foi continuar o que já tínhamos, continuar a ser quem éramos e a fazer o que sempre fazíamos. Dizer ao céu que ele ainda deveria continuar se refletindo no mar e dizer ao mar que a sua profundidade inigualável era a natureza da qual o céu precisava. Chamo esse encontro de verdadeira amizade e verdadeiro amor. 
Sim, eu coloquei uma máscara tentando agradar, não fui honesta, mas, não foi com você, não. Não fui honesta comigo mesma. Não fui honesta porque não lhe disse logo "eu sinto tanto a sua ausência, mas é aquela ausência diferente, a ausência de tudo o que éramos e do que tínhamos"... Ausência da nossa amizade e da consequência perfeita que ela é. 
O encontro mágico do céu e do mar. 
O encontro perfeito de almas que se unem e se completam. 

"Por onde andei?
Enquanto você me procurava
Será que eu sei?
Que você é mesmo
Tudo aquilo que me faltava" 
(trecho da canção por onde andei)

Eu sinto saudade de deitar na cama à noite e rezar, tocar violão, eu e você, você e eu. Como sempre fizemos... eu pra você e você pra mim. Partilhar aqueles textos, lembra? Rir, rir até ficar com a barriga doendo, rir muito! Não fazer nada e eu cantar pra você dormir. Eu sentir sua cabeça no meu colo e de repente aquela respiração mais profunda e perceber "dormiu..."
Eu tenho certeza que você é mesmo tudo aquilo que me faltava!

"Amor eu sinto a sua falta
E a falta, é a morte da esperança
Como um dia que roubaram o seu carro
Deixou uma lembrança
Que a vida é mesmo
Coisa muito frágil
Uma bobagem
Uma irrelevância
Diante da eternidade
Do amor de quem se ama" 
(trecho da canção por onde andei)
Mas, não fique assim, não. Ainda há muita esperança, muito amor, a vida é mesmo coisa muito frágil, uma bobagem, de fato, uma irrelevância, diante da eternidade do amor de quem se ama, eu não faço ideia de por onde eu andei enquanto você me procurava, enquanto eu mesma me procurava, mas eu sei de uma coisa, eu te encontrei!

É isso...

Mas agora, não importa, to chegando!!! Me espera que eu to chegando!!!

domingo, 5 de agosto de 2012

Entre ilhas e continentes


Então, um dia acordei e me dei conta de que, apesar do coração continuar acelerando toda vez que eu vejo determinadas pessoas, ou lembro de determinadas coisas, ou ouço determinadas músicas, a vida continua.
A vida continua porque deve continuar. 

Porque todos são absolutamente substituíveis, porque um dia você acorda e descobre que quer viver a liberdade. Liberdade... aquela palavrinha que me persegue desde que saí de casa. 
Passei por tantas fases desde meus 17 anos por causa dessa tal liberdade.

E até agora não faço ideia do que é essa tal liberdade.

Porque no final, eu descobri que quem se prende é aquele que se afasta do seu círculo, da sua própria proteção, mergulha no desconhecido, espera aceitação dos outros e não de si mesmo. 

Descobri que é um erro fatal você botar sua fé numa única tábua que não é Deus.

Sem querer ofender, não é isso, é que de repente, você acorda e vê que a tábua é de carne, osso, qualidades e defeitos feito você. Ou, que a tábua é de papel e só te serve pra pagar contas. Ou que a tábua é uma qualidade que você pensa que tem, mas não tem.

A tábua meu bem, é a força do Pai. É a presença do Pai. É o supremo amor do Pai que te envolve e que te 
ensina a caminhar. A andar na verdadeira liberdade.

Que afinal de contas, deve ser o fato único de você ser quem você é, quer os outros gostem ou não, e não to falando também de atitudes. Não, to falando de caráter. 

Você gosta de MPB? Então porque não ouvir? Deixa os outros falarem que as músicas são ridículas, é você quem gosta.
Você gosta de Star Wars? Vai assistir sozinha já que não tem companhia. 
Você gosta de filme legendado? Deixa uma turma ir pra um lado e você vai para outro... ué!

Seja firme. 

Não faça nada porque vai pensar que o outro não vá gostar. Faça. Na maior parte das vezes o erro está em fazer aquilo que você acha que vai agradar. Viver pra agradar é palhaçada. Palhaçada consigo mesmo. Porque um dia você acorda cansado de agradar. 

Um dia você desce do salto. 
Aliás, tem dias que você adooooooooooooooooooora um salto, adora um mimo, adora umcheiro. Você é uma boneca, merece ser tratada como uma boneca.
Tem dias que você está desleixada, querendo dormir, querendo fazer coisas diferentes. Querendo ver caras diferentes. 
Tem dias que você sai arrebentando no rock'n roll e tem dias que você gosta de bossa.
Eu to bem Lenine. E deveria ter ido ao show dele (arrependimento!)
Aliás, eu deveria ter ido ao show dele. Deveria ter saído mais de casa. Deveria ter vivido mais pra mim. 

Deveria ter feito as coisas que EU gosto de fazer. 

Mas, não, eu quis agradar os amigos, quis agradar todo mundo. Hoje, meus amigos são aqueles que me conheceram quando eu falei "gosto disso aqui. Eu sei que você não gosta. Mas, é assim..."

Hoje estão comigo quem me conhece de fato e não aqueles que conheceram a pessoa diplomática e toda certinha. Hoje... hoje é verdade que eu queria um abraço forte de uma pessoa só. Mas, a vida continua. Ela sempre continua. E eu preciso ser a fênix. Deixar que as cinzas me tornem forte, não amargurada e nem ranzinza. Mas forte para amar, forte para transcender, forte para sobretudo aceitar a vida como ela é, coragem para mudar o que preciso mudar (se é que é preciso), serenidade interior, paz, garra pra passar na OAB, integridade para honrar meus compromissos e muita luz pra espalhar por aí a vida. 
Mesmo que eu seja um médico ferido no meio de tantos outros. 

Descobri que o quebra-cabeças não é de uma peça só.

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”. (John Donne)