quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Janelas



Aquela janela que me revelava o céu azul. Aquele mar imenso se encontrando com o céu. Como que se me dissesse: poderia abrir essa janela?
Toda vez que entro na igreja de S. Bento, aqui de Salvador, é sempre a mesma coisa, aquela sensação inexplicável de que há algo pra ser silenciado, um enigma a ser transcendido, um sentimento a ser acolhido, uma explicação que não será dada, um abraço que será entregue por algum anjo advindo dos átrios de Deus, na simplicidade do dia-a-dia, na fila da comunhão, do partir do pão. 

Poderia me permitir entrar?

Sempre é tempo de retomar a caminhada, retomar a própria vida, retomar o coração, retomar a existência, se permitir, se ampliar, se conhecer, se entregar. Tudo é experiência. Tudo passa pelos rins, pelo coração, pela alma... tudo é transcender, filosofar. 




Pedaços, todos os pedaços. Todos os sentimentos, os bons e os ruins. A essência boa de quem queria se santificar e a revolta incoerente de quem é vítima de violência. Paradoxos da existência. "Eu entendo a juventude transviada, e o auxílio luxuoso de um pandeiro", já cantava a saudosa Cássia Eller, "Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada, Uma mulher não deve vacilar...Cada cara representa uma mentira. Nascimento, vida e morte, quem diria...Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada. Uma mulher não deve vacilar..." E hoje, bem, eu sou parte da juventude transviada, sou mulher, não posso vacilar, preciso encontrar a fortaleza mesmo sendo fraca. A maturidade na minha loucura. Compreendendo a beleza do Transcendente. Do Eterno. 



"Only I need is You... only I need is You, Lord".
"Panda, você realmente é panda... tá em extinção... pessoas como você estão em extinção... elas não se reproduzem mais..." (Lipinho)... Quem sabe, não existam outros pandas por aí, botando sal e luz onde ninguém vê mais nada... eu sou tão cheia de falhas, tão eu, tão limitadinha... mas, meu coração, não duvide, é todo especial pra quem sabe cativar... ♥